Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Guto condena arbitragem, mas minimiza derrota diante do Palmeiras

Campinas (SP)

Com quatro pontos a menos que o São Paulo, ponteiro disparado e ainda com um jogo a ser disputado neste meio de semana, a Ponte Preta manteve a vice-liderança do Campeonato Paulista mesmo sendo derrotada pelo Palmeiras, neste domingo, por 2 a 1. A quebra da invencibilidade de 19 partidas – envolvendo Campeonato Brasileiro de 2012, Copa do Brasil e Paulistão desta temporada – não desmotiva o técnico Guto Ferreira para a fase decisiva do Estadual, mas incomoda em função da arbitragem no Moisés Lucarelli.

O responsável pelo apito em Campinas foi Luiz Vanderlei Martinucho, mesmo árbitro da partida entre Ponte Preta e São Caetano, marcada pela imprudente entrada de Danielzinho em Ferrugem, que ficará fora de combate por seis meses. Naquela partida, o jogador do Azulão não foi expulso, causando revolta nos atletas da Macaca. Neste domingo, Guto reconheceu a mágoa de seus comandados em relação a Martinucho e ainda diagnosticou um desequilíbrio emocional de sua equipe.

“Houve mágoa, porque os jogadores não isentaram o árbitro da questão do Ferrugem. Me perguntaram antes da partida sobre a escalação, e eu disse que era passado. Não temos que achar desculpa para os problemas. O grande problema da nossa equipe foi o desequilíbrio emocional. A equipe estava totalmente fora de controle”, disse Guto, condenando a arbitragem e a escalação de Martinucho para o confronto: “Os jogadores desceram dizendo que o árbitro os ameaçava. E o árbitro falou que eles estavam reclamando ainda da outra partida”.

Depois de eliminar o Itabaiana jogando com reservas na abertura da Copa do Brasil, a Ponte Preta terá a semana livre apenas para treinamentos. Por isso, Guto Ferreira concedeu folga geral nesta segunda-feira, permitindo que o grupo se apresente para os trabalhos apenas nesta terça, pela manhã. O próximo jogo, pela penúltima rodada da primeira fase, será neste domingo, contra o Mirassol.

“Melhor ter perdido agora do que perder na frente. Nós não podemos perder na frente, até pelo nosso objetivo”, comentou Guto Ferreira. O goleiro Edson Bastos ampliou o discurso de confiança: “Não podemos fazer terras arrasadas, tivemos apenas um tropeço. Quando vencemos não quer dizer que está tudo certo e quando perdemos também não está tudo errado”.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade