Futebol/Liga dos Campeões - ( - Atualizado )

Inspirado por duas goleadas, Barcelona tenta milagre contra o Bayern

Barcelona (Espanha)

Após se estabelecer como principal equipe do futebol mundial nas últimas quatro temporadas, a atual geração do Barcelona está passando pelo maior desafio à sua hegemonia europeia desde que ela foi conquistada com 14 títulos desde 2008. Nesta quarta-feira, às 15h45 (de Brasília), os catalães recebem o Bayern de Munique precisando reverter uma derrota por 4 a 0 no jogo de ida.

Caso não consiga vencer por pelo menos quatro gols de diferença, o Barça será eliminado nas semifinais da Liga dos Campeões pela terceira vez nos últimos cinco anos – nos outros dois, foi campeão.

Desta vez, porém, a imagem do time como potência mundial sofre maior risco do que nas eliminações anteriores: as quedas para a Inter de Milão, na temporada 2009/10, e Chelsea, na temporada 2011/12, não envolveram derrotas como a goleada sofrida em Munique na semana passada. O maior revés entre os jogos que culminaram nas eliminações foi por 3 a 1 na Itália contra a Inter.

AFP
No fim de semana, Messi entrou no segundo tempo para marcar um gol e dar uma assistência contra o Bilbao (Foto: Odd Andersen)
Agora, a equipe espanhola precisa de uma atuação histórica para evitar uma nova desclassificação: um time nunca deixou de avançar na Liga dos Campeões após vencer o jogo de ida por 4 a 0. Para conseguir tal feito, o Barcelona se baseia em dois resultados.

Os blaugranas já precisaram reverter uma derrota em casa nesta Liga dos Campeões. Pelas oitavas de final, a equipe perdeu por 2 a 0 para o Milan, mas garantiu a classificação com uma goleada por 4 a 0 no Camp Nou. Além disso, na temporada 2009/10, o Barça goleou o próprio Bayern de Munique por 4 a 0 em casa.

As duas goleadas possuem um fator em comum: Messi marcou dois gols em cada uma delas. Em recuperação de uma lesão muscular na coxa direita, o argentino não estava em condições físicas ideias no jogo de ida. No Barcelona, a importância do camisa 10 para uma reação na semifinal é sempre ressaltada.

“Sabemos da importância de Messi para este time, principalmente na hora da finalização das jogadas. Quanto melhor ele estiver, maiores as chances de nos classificarmos. No entanto, não podemos pressioná-lo, temos que ajudá-lo”, declarou o técnico Tito Vilanova.

Mesmo com o melhor jogador do mundo recuperado, porém, o treinador catalão segue com problemas para o jogo. Em má fase durante a temporada, a defesa azul-grená, que sofreu 35 gols no Campeonato Espanhol, seis a mais do que em toda a temporada passada, segue desfalcada.

Com Puyol lesionado, foi aberta a possibilidade de adiantar o retorno de contusão de Mascherano, mas o argentino já foi descartado. Com Abidal também descartado, Marc Batra deve assumir o espaço na zaga ao lado de Pique. Adriano, no entanto, retorna após cumprir suspensão e assume a vaga do suspenso Jordi Alba na lateral esquerda. No meio-campo, Sergio Busquets é dúvida e pode ser substituído por Song.

O Bayern de Munique, por outro lado, pode se basear nos impressionantes números da temporada para confiar na classificação. A equipe sofreu apenas 26 gols em 48 partidas e, assim, precisaria sofrer quatro vez mais gols do que a sua média em 2012/13 para ser eliminado.

AFP
Artilheiro do Bayern na Liga dos Campeões, Muller chega embalado por dois gols e uma assistência no jogo de ida (Foto: Odd Andersen)
Além disso, os alemães só sofreram mais de dois gols em uma partida em uma ocasião: na derrota por 3 a 1 para o Bate Borisov pela fase de grupos da Liga dos Campeões. Ciente de que precisa marcar apenas um gol para forçar o Barcelona a fazer outros seis, o Bayern ainda pode se animar por só não ter balançado as redes em uma partida na temporada, na derrota por 2 a 0 para o Arsenal em casa pelas oitavas de final.

Após garantir a conquista do Campeonato Alemão com antecedência recorde e chegar à final da Copa da Alemanha, o Bayern de Munique agora mira a tríplice coroa, nunca alcançada no país germânico.

O feito ajudaria a equipe, vice-campeã da Liga dos Campeões duas vezes nas últimas três temporadas, a despontar como principal candidata à nova potência europeia caso o Barcelona seja mesmo destronado nos próximos anos. Para isso, o técnico Jupp Heynckes deseja mostrar que a grande exibição no jogo de ida não foi um caso único.

“Queremos provar que o jogo em Munique não foi uma situação excepcional. Precisamos levar o adversário em conta. Temos nossa filosofia no futebol e, nessa temporada, já provamos que o Bayern é um grande time com futebol do melhor nível. Temos nossa cultura e podemos marcar gols no Camp Nou”, afirmou o treinador alemão, que será substituído pelo ex-barcelonista Pep Guardiola na próxima temporada.

O comandante bávaro chega ao jogo com o elenco mais completo do que Vilanova, mas precisa se preocupar para não chegar desfalcado à final caso se classifique. Titulares no jogo de ida, Dante, Philipp Lahm, Javi Martínez, Schweinsteiger e Mario Gomez estão pendurados. O brasileiro Luiz Gustavo, opção para o meio-campo, também fica suspenso com mais um cartão amarelo.

Sem poder contar com o meia Tony Kroos, que lesionou a coxa e não deve retornar na temporada, Heynckes deve apostar na mesma formação do jogo de ida. A única dúvida é no comando de ataque. Titular em Munique, Mario Gomez passa a disputar vaga com Mandzukic, que cumpriu suspensão no jogo de ida.

AFP
O Bayern de Munique mostrou sua força ao aplicar a maior derrota já sofrida pelo Barcelona desde o início de série vitoriosa catalã em 2008 (Foto: Odd Andersen)
FICHA TÉCNICA
BARCELONA X BAYERN DE MUNIQUE

Local: Estádio Camp Nou, em Barcelona (Espanha)
Data: 1º de maio de 2013, quarta-feira
Horário: 15h45 (de Brasília)
Árbitro: Damir Skomina (Eslováquia)
Assistentes: Matek Zunic e Bojan Ul (ambos da Eslováquia)
Árbitros adicionais: Slavko Vincic e Roberto Ponis (ambos da Eslováquia)

BARCELONA: Valdés; Daniel Alves, Piqué, Marc Bartra e Adriano; Song (Busquets), Xavi e Iniesta; Pedro, Messi e Alexis Sánchez (David Villa)
Técnico: Tito Vilanova

BAYERN DE MUNIQUE: Neuer; Lahm, Dante, Boateng e Alaba; Javi Martínez, Schweinsteiger, Ribéry, Muller e Robben; Mandzukic (Mario Gomez)
Técnico: Jupp Heynckes

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade