Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Juninho Paulista celebra coração forte e permanência do Ituano

Itu (SP)

Revelado pelo Ituano, Juninho Paulista voltou ao clube em 2010 para encerrar a carreira como jogador e ocupar a presidência. Desde então, viu o Galo de Itu sofrer no Paulistão, sempre escapando do rebaixamento somente nas últimas rodadas. Após o alívio pela permanência com a vitória sobre o Palmeiras, o mandatário comemorou o fato de ser jovem e ter o coração firme.

“É sempre no sufoco. Ainda bem que sou jovem, porque o coração é fogo. Eles estão de parabéns. Esse time merece ficar na primeira divisão, pois é bom. Não colheu resultados ao longo do campeonato, perdeu pontos nos últimos minutos e ficamos numa situação dessa”, vibrou o ex-jogador logo após o término da vitória por 2 a 1 sobre o Verdão.

Para deixar o clima ainda mais tenso no estádio Novelli Júnior, a torcida rubro-negra ficou aflita quando o Mirassol abriu o placar contra o Linense aos 40 minutos do segundo tempo. O empate em 1 a 1 com o Palmeiras rebaixaria o Galo de Itu, mas o centroavante Marcão tratou de aproveitar uma falha do goleiro Bruno aos 47 minutos e livrar a equipe interiorana do rebaixamento.

“É muito mais fácil jogar. Eu não sei onde vou, se vou pra lá, vou pra cá. Se fico em lugar aberto ou fechado. Fora a gente fica sofrendo demais. Aos 40 minutos o Mirassol faz gol e a gente faz só no último minuto. Não quero passar mais esse sufoco, só se for pelo lado bom”, clamou Juninho Paulista, sem esconder a emoção.

Responsável por acalmar o coração do presidente, Marcão foi elogiado pelo mandatário do Ituano. O centroavante, que afirmou não ter pensado em nada no momento do gol salvador, foi criado nas categorias de base do Galo como Juninho e também teve de ouvir um puxão de orelha.

“O Marcão iniciou muito bem o Campeonato Paulista, deu uma caída e por isso não estava jogando. Nessa semana ele teve treinamentos intensivos e nós cobramos muito dele, pois sabemos o potencial que ele tem. É jovem e tem muito a crescer”, projetou o presidente.

Outros responsáveis por salvar a pátria ituana celebraram a permanência na elite do Estado. O ex-volante Doriva, companheiro de Juninho Paulista no São Paulo na década de 1990, comandou a equipe na reta final e garantiu ter pressentido a vitória sobre o Palmeiras: “Eu estava confiante e sabia que a íamos conseguir. Só não sabia como. E conseguimos”.

Ex-jogador do Verdão, o volante Marcinho Guerreiro revelou o sofrimento passado dentro do gramado do estádio Novelli Júnior neste domingo. O marcador revelou que precisou motivar os companheiros para não desistir após o gol do Mirassol sobre o Linenese.

“Eu estava jogando e perguntando quanto estava o outro jogo. De repente o Anderson (goleiro) falou que os caras (Mirassol) estavam ganhando. Falei que a gente tinha que ir para frente, que o empate não interessava mais. Foi no último minuto, sofrido, mas graças a Deus conseguimos nosso objetivo”, comemorou Marcinho Guerreiro.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade