Futebol/Copa Libertadores - ( - Atualizado )

Lateral são-paulino trocaria boa fase pessoal por vaga nas oitavas

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Thiago Carleto é um dos jogadores que mais têm dado entrevista no São Paulo recentemente. Não por acaso. O lateral esquerdo aproveitou lesão de Cortez, tomou a posição e até renovou contrato. O bom momento o deixa contente, mas não como ficaria se a equipe estivesse perto da vaga às oitavas de final da Libertadores.

"Meu momento é bom, é aquele momento que esperava na minha primeira passagem. Mas talvez trocasse esse momento por uma melhora na fase de grupos da Libertadores. No Campeonato Paulista, é indiscutível o que a gente vem fazendo, mas, na Libertadores, a gente tem que melhorar", disse o jogador.

Na quarta-feira, o camisa 16 foi um dos destaques na fraca atuação diante do União Barbarense, a qual bastou para vencer por 2 a 1, de virada, com um jogador a menos. Saiu de seus pés o cruzamento para o gol de empate, anotado de cabeça pelo atacante Aloísio. Em alta, ele não se esqueceu de quem o incentivou desde a temporada anterior.

"Tenho que agradecer totalmente à comissão técnica do Fluminense, que se mantém lá ainda hoje. O Abel (técnico) confiou em mim mesmo sem me conhecer. O Carlinhos fez um ano indiscutível, mas tinha dois laterais que poderiam jogar a qualquer momento. Era um time muito forte, e isso me fortaleceu", lembrou o jogador, que, em menos de quatro meses depois de voltar de empréstimo, estendeu seu vínculo com o São Paulo até o final de 2015.

O desejo de Carleto de uma melhora na Libertadores tem uma última chance na quarta-feira que vem, quando o São Paulo recebe o Atlético-MG, no Morumbi. O time precisa vencer e torcer para que, simultaneamente, o Arsenal não perca para o The Strongest. No fim, a vaga ainda pode ser definida pelos critérios de desempate.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade