Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Maikon Leite se preocupa: "Não fala em contusão, pelo amor de Deus"

William Correia São Paulo (SP)

Escolhido pelo clube para dar entrevistas nesta terça-feira, coube a Maikon Leite falar sobre a cirurgia de Vilson, que, assim como Fernando Prass, se machucou na derrota para o Ituano, no domingo. Mas o atacante, vítima de constantes lesões, já começou suas declarações pedindo, em tom bem humorado, para evitar o assunto.

“Não fala em contusão, não. Pelo amor de Deus”, disse o jogador, que voltou a ter condições de jogo na semana passada depois de ficar mais de um mês tratando de lesão em seu tornozelo direito.

Não ver o departamento médico do Palmeiras vazio gera aflição no camisa 7. “Lógico que me preocupa. Ninguém quer ver ninguém de fora. Por isso vamos esquecer isso aí, dar força para quem vai jogar e quem está lá fora com certeza está torcendo muito.”

Maikon Leite sabe do que fala. Além de frequentes problemas físicos no Palmeiras, ele ficou mais de um ano parado ao romper todos os ligamentos do joelho direito em 2008, quando ainda atuava pelo Santos.

“Sou um cara que me contundo muito, e isso atrapalha muito o jogador. Lamento por quem está fora. É chato. Mais chato do que para todos que estão vendo, é para o jogador, ainda mais ficando fora de uma fase decisiva, quando todos querem jogar”, comentou o atacante.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Frequentador assíduo do departamento médico, atacante voltou após mais de um mês tratando de lesão no tornozelo
Fernando Prass, com luxação no ombro esquerdo, e Vilson, que passou por artroscopia no joelho esquerdo, já não podem mais atuar no Paulista, estão fora dos jogos contra o Tijuana, pelas oitavas de final da Libertadores, e devem ser desfalque até na estreia do clube na Série B, em 25 de maio, contra o Atlético-GO. E ainda estão vetados por lesão os meias Patrick Vieira e Edilson e o zagueiro Leandro Amaro.

Mas, insistindo em sua tentativa de evitar o assunto, Maikon Leite encerrou o tema ressaltando a união de todos no grupo pelo sucesso do clube, independentemente de quem estiver em campo. “Vamos juntar tudo e puxar uma corrente para o lado positivo. Quem está lá dentro vai correr. Temos condições e vamos chegar longe”, apostou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade