Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Marcos Rocha lamenta críticas da esposa do concorrente Jean

Belo Horizonte (MG)

Depois da mulher do goleiro Denis tratar Rogério Ceni como ‘fominha’ por não dar chances ao marido na meta do São Paulo, outra esposa de jogador de futebol causou uma situação constrangedora. Durante o empate da Seleção Brasileira em 2 a 2 com o Chile, a esposa de Jean criticou a torcida que compareceu ao Mineirão e ironizou Marcos Rocha, que entrou na vaga do jogador do Fluminense nos minutos finais da partida.

Elogiado pelo desempenho atuando improvisado na lateral direita, Jean tem a confiança do técnico Luiz Felipe Scolari, mas foi substituído no fim do jogo. Lateral de ofício e em grande fase no Atlético-MG, Marcos Rocha foi ovacionado por parte da torcida no estádio, situação que irritou a mulher de Jean.

“Marcos Rocha quem é? Joga onde?", questionou Mariana Moreira em seu perfil no Twitter. A postagem foi apagada instantes depois, mas as críticas ao comportamento da torcida foram mantidas: "Mineirão ontem lotado, estava tudo lindo. E a torcida? Ridícula. Estou decepcionada, porque fui ver a seleção jogar, mas a torcida era do galo e do cruzeiro. 55 mil pessoas vaiando logo que o Brasil entrou para aquecer. Ridículos, odiei. O Brasil não merecia essa torcida inútil. A Copa deveria ser fora".

Nesta quinta-feira, a assessoria de imprensa de Marcos Rocha divulgou uma nota oficial do atleticano lamentando a atitude da esposa do volante do Fluminense. O lateral deixou claro que acredita no caráter do concorrente à posição na Seleção Brasileira.

"Fiquei triste ao ler este comentário. O Jean é um jogador que respeito muito. É um grande jogador e uma boa pessoa fora de campo. Só tenho que lamentar, mas opinião cada um dá a sua. Tenho certeza que essa não é a opinião dele e que ele me respeita, assim como qualquer outro jogador da Seleção”, ressaltou o defensor do Galo.

Marcos Rocha também aproveitou para comemorar a oportunidade dada por Felipão em estrear pelo time nacional. Convocado no ano passado por Mano Menezes, o atleticano não chegou a entrar em campo e vibrou com o fato de jogar pela primeira vez com a amarelinha justamente em Belo Horizonte.

"Graças a Deus pude entrar em campo, mesmo que por poucos minutos. Foi uma sensação maravilhosa vestir essa camisa, ainda mais no Mineirão, com minha família na arquibancada. Infelizmente não fizemos uma grande partida e o resultado não foi bom, mas foi apenas um amistoso", destacou o camisa 2 do Atlético-MG.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade