Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Neto vê Tata mais calmo que Muricy e quer aproveitar nova chance

Do correspondente Rodrigo Martins Santos (SP)

Em recuperação de um quadro de diverticulite (inflamação no intestino grosso), que o fez ser internado no final da semana passada no Hospital São Luiz, na região do Morumbi, em São Paulo, o técnico Muricy Ramalho não estará no comando do Santos diante do União Barbarense. O zagueiro Neto falou sobre as diferenças entre o treinador e o seu auxiliar, Tata, que irá dirigir o Peixe na partida contra o Leão da Treze, neste sábado, a partir das 18h30 (horário de Brasília), no Estádio Antônio Lins Ribeiro Guimarães.

“O Tata é mais tranquilo, o Muricy já é mais agitado. O Muricy cobra muito, mas não creio que vai ter muita diferença. Também não vamos entrar no ‘marasmo’. Vamos nos empenhar ao máximo. Até porque, se a gente for mal, ele vai dar ‘dura’ em todo mundo depois”, disse Neto.

O comandante santista, que seguiu as orientações médicas e mais uma vez ficou de fora de um jogo da equipe praiana – Muricy não esteve no empate com o Flamengo-PI, na última quarta-feira, no Albertão, na estreia da Copa do Brasil –, deve voltar ao trabalho na reapresentação do elenco alvinegra, na próxima segunda, no CT Rei Pelé.

Nova oportunidade como titular – O defensor também falou sobre a nova chance no time titular. Como o experiente Durval recebeu o terceiro cartão amarelo e terá de cumprir suspensão automática contra o União Barbarense, Neto reaparece entre os titulares, desta vez ao lado de Edu Dracena.

“O jeito de ele jogar é diferente do Durval e nunca tive a oportunidade de atuar com ele. Mas para superar esse desentrosamento, o que vale é a comunicação na hora do jogo. Quando isso surge você começa a entender como o seu parceiro de zaga joga, como se posiciona. Sem mistério”, explicou.

Já sobre o fato de jogar pelo lado esquerdo – com Durval, Neto sempre ficava no lado direito do setor defensivo –, o zagueiro não vê nenhum tipo de problema. “Vou jogar pela esquerda, como era quando eu fazia dupla com o Domingos (no Guarani). É uma questão de adaptação. Vou tentar fazer o meu melhor. Se o professor gostar de mim por ali, não tem problema nenhum”, concluiu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade