Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Neymar não teme clássico nas quartas e mira evolução no mata-mata

Do correspondente Rodrigo Martins Santos (SP)

O Santos faz diante da Penapolense, no próximo domingo, na Vila Belmiro, o seu último jogo na primeira fase do Campeonato Paulista. Os resultados da rodada irão definir quem será o adversário do Peixe nas quartas de final da competição. Mas o atacante Neymar não se assusta com a possibilidade de a equipe praiana ter pela frente um clássico, na próxima fase – Palmeiras e Corinthians podem ser os rivais no mata-mata.

Por conta disso, a Joia santista prometeu empenho total do time alvinegro, em busca da vitória sobre a Pantera da Noroeste. Com 36 pontos, o Santos ocupa o quarto lugar na tabela do Paulistão e pode terminar na vice-liderança, dependendo dos resultados de Ponte Preta, segunda colocada, contra o Bragantino, fora de casa, e Mogi Mirim, que está na terceira posição, diante do São Paulo, em seus domínios.

“Agora é o nosso último jogo, não tem como escolher adversário, isso não existe. Na próxima etapa vão estar oito equipes que mereceram se classificar. Vamos jogar com seriedade, sem essa de perder aqui, para pegar outro time ali. Iremos jogar para ganhar. Independentemente de ser semifinal, um time de menos expressão ou clássico, vamos ter de jogar para vencer de qualquer jeito. Os clássicos são muito legais para a torcida assistir e maravilhosos para quem gosta de jogá-los. Acho que vai ser bom, sim”, disse Neymar.

Sobre o mata-mata, que irá definir o campeão estadual, o camisa 11 admitiu que o Peixe não vem apresentando o seu melhor futebol, mas está confiante na possibilidade de a equipe crescer e conquistar o seu quarto título paulista consecutivo.

“O Paulistão, para mim, é o melhor regional do país para se jogar, principalmente pela qualidade que existe, em todos os times. Sabemos que o Santos não vem dando show, jogando ‘horrores’, mas a gente vem ganhando. Estamos numa série de 12 jogos sem perder. Mas a gente quer melhorar, para chegar em um nível muito bom (na fase decisiva), porque queremos conquistar os nossos objetivos. Na fase final, zera tudo. É de igual para igual, do primeiro ao oitavo. Temos que fazer de tudo para vencer, pois é um campeonato muito difícil”, concluiu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade