Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Ponte se posiciona contra protestos na volta de Kleina ao Lucarelli

Campinas (SP)

A mobilização de torcedores da Ponte Preta que tentam organizar protestos contra Gilson Kleina no jogo contra o Palmeiras no domingo, às 16 horas (de Brasília), preocupam a diretoria do clube. Nesta quarta-feira, a Macaca publicou uma nota oficial desmotivando esse tipo de mobilização no retorno do técnico ao estádio Moisés Lucarelli.

A movimentação ocorre por causa da polêmica saída do treinador da Ponte. Na equipe entre novembro de 2010 e setembro de 2012, Kleina levou a equipe de volta à Série A do Campeonato Brasileiro, mas trocou a clube pelo Palmeiras no meio da competição.

O período de quase dois anos à frente da Macaca significou a maior sequência de partidas consecutivas de um treinador no comando da equipe nos últimos 15 anos. Nesse período, além do acesso à primeira divisão nacional, a equipe atingiu as quartas do final do Campeonato Paulista em 2011 e a semifinal do estadual e as oitavas de final da Copa do Brasil no ano seguinte.

Baseada em atitude semelhante da torcida do Santos, a diretoria do clube se mostra preocupada com os planos de alguns membros da torcida campinense de atirar moedas contra o ex-comandante alvinegro.

"Várias pessoas estão dizendo nas redes sociais que irão jogar moedas no campo e “fazer um inferno” em protesto a um ex-treinador. Acontece que a Ponte é maior que ex-técnicos, ex-jogadores, maior do que tudo, e quem irá sofrer se este tipo de ação ocorrer é a própria Ponte", consta no comunicado.

Em fevereiro, a torcida do Alvinegro Praiano realizou protesto semelhante contra o meia Paulo Henrique Ganso, que trocou o Peixe pelo rival São Paulo. A equipe do litoral paulista foi punida com a perda de um mando de campo e condenada a pagar multa de R$ 10 mi por conta da 'chuva de moedas'l.

PontePress/DJota Carvalho
Em 115 jogos na Ponte Preta, Gilson Kleina somou 48 vitórias, 32 empates e 35 derrotas, aproveitamento de 52,19%
Confira a nota oficial da Ponte Preta na íntegra:

Time invicto, recorde de 1981 quebrado, melhor defesa, artilheiro da competição e equipe garantida na segunda fase com três rodadas de antecedência, praticamente já consolidada como um dos quatro primeiros e com vantagem de definir em casa. Esta é a Ponte Preta em 2013 e o torcedor tem toda razão para estar orgulhoso e acreditar na Macaca nas finais. No entanto, uma das maiores vantagens da Ponte na segunda fase da competição pode ser jogada por terra se houver apenas um comportamento equivocado neste domingo.

Várias pessoas estão dizendo nas redes sociais que irão jogar moedas no campo e “fazer um inferno” em protesto a um ex-treinador. Acontece que a Ponte é maior que ex-técnicos, ex-jogadores, maior do que tudo, e quem irá sofrer se este tipo de ação ocorrer é a própria Ponte. Lembre-se de que, quando a torcida do Santos jogou moedas no campo para protestar contra Ganso no confronto contra o São Paulo, o Santos é que foi punido, com perda de mando de campo.

Ou seja, uma ação equivocada neste domingo pode simplesmente fazer com que percamos o mando de campo que o time está lutando para consolidar e ter como vantagens nas finais. “Fazemos um apelo ao torcedor para que nos ajude a manter esta grande vantagem e não prejudique o próprio time. A Ponte inclusive já assumiu o compromisso público de, caso cheguemos às finais, lutar para realizar uma das partidas aqui, como fizemos em 2008. Imagine conseguirmos isso e simplesmente não podermos jogar no Majestoso por causa de uma punição. Seria absurdo”, diz o presidente Márcio Della Volpe.

Ele acrescenta que, além do apelo, a AAPP irá agir com rigor caso haja algum tipo de manifestação proibida. “Iremos atuar para impedir e, caso ocorra, identificar quem fez e levar imediatamente às autoridades para autuação e punição”, pontua. É bom lembrar ainda que, recentemente, a Federação Paulista de Futebol alertou a todas as torcidas dos times que participam do Paulistão que a conduta equivocada de torcedores no estádio poderão prejudicar as equipes.

O aviso da FPF – que por determinação da entidade vem sendo lido e transmitido via autofalantes em todas as partidas – deixa claro que qualquer problema poderá gerar perda de mando, multa ou até mesmo interdição do estádio. “Não arremesse objetos no campo. Não invada o gramado ou local da disputa. Não pratique tumultos ou desordens. Não porte sinalizadores, fogos ou objetos pirotécnicos de qualquer natureza. O seu clube será punido com perda de mando, multa ou até interdição do estádio por qualquer problema e se o responsável não for identificado”, diz o Coronel Isidro Suíta Martins.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade