Futebol/Copa Libertadores - ( )

São Paulo quer vitória e classificação para inverter rumo em 2013

Gabriel Carneiro, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Em 25 partidas realizadas no ano de 2013, o São Paulo venceu 15 vezes, empatou três e acabou derrotado nas outras sete, justamente em ocasiões consideradas mais importantes, como os clássicos contra Santos e Corinthians e outros compromissos pela Libertadores, diante de Bolívar, Atlético-MG, Arsenal de Sarandí e The Strongest. Para abrir uma semana decisiva na temporada, o técnico Ney Franco sonha alto.

“O projeto está todo sendo desenvolvido para que a gente passe a ter um desempenho melhor contra os grandes a partir de quarta-feira. Perdemos para o Atlético-MG já, na Libertadores, então agora nos cabe jogar melhor e buscar a classificação”, disse o comandante tricolor logo após a sétima entre as derrotas anteriormente citadas, sábado, contra o XV de Piracicaba, pela penúltima rodada do Campeonato Paulista.

A missão de Ney Franco na Libertadores, entretanto, é complicada. Com quatro pontos somados nas cinco primeiras rodadas, o Tricolor precisa vencer o líder Atlético-MG nesta quarta-feira e ainda torcer para que o The Strongest não vença o Arsenal de Sarandí no mesmo dia, na Argentina. Caso consiga passar de fase, o time já terá pela frente o próprio Galo, que até o momento não perdeu nenhuma vez.

Rubens Chiri/Site Oficial SPFC
O São Paulo mantém a confiança, mas sabe a dimensão da dificuldade que terá para alcançar as oitavas
“Temos que esquecer nosso desempenho até agora”, prega o técnico do São Paulo, colocando foco no “jogo do ano” diante do time de Cuca: “Nós nos colocamos nessa situação e temos que sair. A responsabilidade é nossa, mas logicamente que a torcida vem para o Morumbi com pensamento de empurrar o tempo todo, então vamos criar um ambiente bom para se jogar. A expectativa é de pelo menos fazer a nossa parte”.

Aceitando até mesmo o desacreditado Palmeiras como referência para buscar a classificação às oitavas de final da Libertadores, Ney Franco mantém dúvidas na escalação, mas deixa claro que montará um time disposto a envolver o Atlético-MG no Morumbi, rechaçando a trajetória nos clássicos estaduais e a má fase na Libertadores: “Os números estão aí, não tem como fugir disso, mas não significa que não vamos ganhar outros jogos importantes na temporada”.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade