Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Sem cumprir normas da FPF, Guarani tem Brinco de Ouro interditado

São Paulo (SP)

O torcedor do Guarani recebeu mais uma triste notícia nesta sexta-feira. Por não ter cumprido as exigências feitas pelo Corpo de Bombeiros no dia 1º de março, o Estádio Brinco de Ouro da Princesa foi interditado por tempo indeterminado pela Federação Paulista de Futebol (FPF).

Nas últimas partidas, contra Mogi Mirim, Paulista, Corinthians e Atlético Sorocaba, o clube campineiro pôde jogar em casa depois de um acordo com a FPF, com a condição de que o tobogã fosse fechado. Nesta sexta-feira, no entanto, o Coronel Marcos Marinho, o presidente da Comissão de Arbitragem e Chefe do Departamento de Segurança da FPF, confirmou a interdição.

"Recebemos o laudo do Corpo de Bombeiros dando o estádio como interditado, pois o Guarani não cumpriu as exigências no prazo de 45 dias. As instalações de corrimões começaram a ser feitas apenas no tobogã. Nas cabeceiras norte e sul e nas vitalícias, as obras sequer iniciaram", explicou Marcos Marinho à Rádio Bandeirantesde Campinas.

Hélio Suenada/Gazeta Press
O Estádio Brinco de Ouro da Princesa foi interditado por tempo indeterminado pela Federação Paulista de Futebol (FPF).
O prazo estipulado pela Federação terminaria nesta segunda-feira, dia 15 de abril, mas o Guarani precisou correr contra o tempo, já que infringiria o Estatuto do Torcedor, no qual o clube precisa indicar o local da partida com 72 horas de antecedência. Nesta quarta-feira, o Bugre encara o Confiança-SE, pela Copa do Brasil, e corre o risco de jogar com os portões fechados.

"A CBF segue mesmo procedimento da Federação Paulista, portanto, não dará autorização ao estádio sem nenhuma aprovação por laudo. A CBF tem como critério transferir a partida para um outro local. No entanto, ainda não há nada oficializado. Eles devem receber este laudo e, depois, vão confirmar o novo local ou então se o duelo será com portões fechados", Marinho.

Em conversa com a reportagem da GE.Net, a assessoria do Guarani admitiu o problema do clube envolvendo o prazo estipulado e o Estatuto do Torcedor, além de informar que a diretoria do clube se esforça para cumprir as exigências do Corpo de Bombeiros. As duas partes estão reunidas nesta sexta-feira em busca de uma solução, já que o Bugre precisa do apoio de sua torcida para tirar a vantagem do clube sergipano na competição nacional.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade