Futebol/Copa Libertadores - ( )

Sem esperar chance, Vinícius obedece chefe e decide "jogo da vida"

William Correia São Paulo (SP)

Pela falta de opções na frente, Vinícius era cotado para ser titular contra o Tigre, mas ficou na reserva e nem tinha esperança de entrar em campo. Até que Patrick Vieira levou uma pancada na coxa direita com quatro minutos de jogo e, aos 15, o atacante já iniciava a melhor atuação de sua carreira, com assistências para Caio e Charles na vitória do Palmeiras por 2 a 0.

Tudo como Gilson Kleina mandou ao colocá-lo na partida. “Antes de eu entrar, ele me falou assim: ‘Garoto, entra aí e decide, ajuda a gente’. Até arrepia na hora quando um treinador fala isso na beira do gramado”, contou o jogador de 19 anos, sorrindo por seu desempenho em uma noite na qual não sonhava nem em ser coadjuvante.

“Eu não estava nem esperando entrar, ainda mais no lugar do Patrick, que é forte demais. Quando o Kleina me chamou, coloquei na cabeça que tinha de ajudar o time. Não posso deixar nunca de trabalhar, de ouvir os companheiros. Entrei decidido a ajudar a equipe, com a confiança de todos”, comemorou.

Titular em boa parte deste início de temporada, Vinícius passou a desagradar e perdeu espaço para Leandro. Mas o jogador emprestado pelo Grêmio não pode atuar pela Libertadores e o atleta vindo das categorias de base do Verdão disse nunca ter se desmotivado, até porque Gilson Kleina sempre discursou que não desiste dele.

AFP
Vinicius é abraçado após a primeira de suas duas assistências: garoto perdeu espaço para Leandro
“Os líderes e o professor falaram que era o jogo da nossa vida. Vi o pessoal dando a vida dentro de campo e isso me motiva ainda mais, dá mais vontade de correr. Isso foi essencial para a nossa vitória, todo mundo se ajudou e, graças a Deus, conseguimos a vitória”, comemorou.

Com discurso otimista, o camisa 19 vê tudo que está passando como um aprendizado. “A cada jogo você vai amadurecendo. Às vezes tem um jogo mais difícil, mais pegado, que você tem que pensar mais, levantar a cabeça, e isso se aprende com o tempo. Estamos aprendendo muito, até mais os experientes”, comentou.

A confiança foi repassada também para Patrick Vieira, frustrado por ter se machucado tão cedo. “O Patrick tomou uma pancada e, infelizmente, sentiu. Depois, no intervalo, eu o vi meio triste e falei: ‘Parceiro, fica tranquilo que vamos ganhar para você’. Isso está sendo muito importante para a nossa equipe: a amizade”, ressaltou Vinícius.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade