Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Sem jogar na sua posição, Marcelo Oliveira vira exemplo de trabalho

William Correia São Paulo (SP)

Em fevereiro, ao se apresentar no Palmeiras, Marcelo Oliveira ressaltou sua vontade de jogar como volante, sua posição original. Mas até agora não teve chance no meio-campo, atuando como lateral esquerdo, como já estava acostumado, e a partir de terça-feira passou a ser opção na zaga. É uma incumbência inédita na sua carreira, mas que o reforça como exemplo no elenco.

“Trabalho muito, independentemente da posição em que vou jogar. Dou sempre meu máximo, trabalho sério. Era para eu simplificar e não inventar, e assim fui bem”, disse o jogador, que estreou como zagueiro na vitória por 2 a 0 sobre o Tigre e foi considerado o melhor do jogo por Henrique, que foi ao Pacaembu como espectador por estar machucado.

“Fico feliz por ouvir isso, já que ele é o titular da posição e um líder do nosso grupo. Mas todos estão de parabéns”, enalteceu Marcelo Oliveira, sem minimizar seu esforço. “Sabemos que corremos riscos em uma posição diferente, ainda mais em um jogo decisivo. São necessários concentração, confiança e trabalho.”

Com esse pensamento, Marcelo Oliveira já é preparado para ser zagueiro de novo na próxima quinta-feira. O motivo é que Henrique realiza trabalhos de fortalecimento muscular após tratar de lesão na coxa direita e ainda não é presença certa diante do Libertad, no Pacaembu.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Volante de origem, Marcelo Oliveira só jogou no Palmeiras como lateral esquerdo e zagueiro
Como André Luiz não está inscrito na Libertadores, Vilson cumprirá suspensão, Leandro Amaro se machucou e Marcos Vinícius e Luiz Gustavo ainda são considerados imaturos para um jogo de Libertadores, o volante pode ser companheiro de Mauricio Ramos de novo. E nem reclama.

“Tive uma conversa com o Gilson no domingo. Ele falou que estava pensando em me escalar como zagueiro e falei que nunca tinha jogado ali, mas tinha noção por já ter treinado na posição e estava pronto para jogar”, contou o jogador, que tem muitos concorrentes no meio-campo e, na lateral esquerda, já vê Fernandinho como novo ‘adversário’ na posição que hoje é de Juninho.

Mas o que interessa no discurso do atleta emprestado pelo Cruzeiro é se esforçar. “Foi um jogo de superação, mostrou que o grupo está no caminho certo. Independentemente de quem está em campo, a vontade foi grande de honrar essa camisa. Conseguimos colocar a bola no chão, tocar, criar e tivemos uma marcação muito boa desde lá na frente que ajudou muito quem estava atrás”, elogiou Marcelo Oliveira.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade