Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Tite diz que formação ofensiva nem sempre é possível: "Expõe"

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Tite viu o “poder de fogo” que esperava ao montar o Corinthians de maneira mais ofensiva para a partida contra o Atlético Sorocaba, vencida por 2 a 0. Viu também muitas bolas cruzando a área alvinegra, fruto de jogadas pelos lados construídas pela equipe visitante.

“Ganhamos ofensividade e poder de fogo. Se o adversário vem e me ataca, sabe que não pode errar, porque vou ser perigoso do outro lado. Essa formação expõe um pouquinho a gente, mas cada jogo tem a sua história. O importante é ter essas opções trabalhadas”, afirmou.

Foi o que o treinador fez neste domingo: um teste. Com Emerson aberto na direita e Danilo na esquerda, Alexandre Pato e Guerrero jogaram perto do gol do Atlético. A julgar pelo resultado da experiência diante de um time frágil, a formação só será usada em situações específicas de jogo.

“Tenho que utilizar para ver o que acontece. Não podia fazer isso em um jogo decisivo direto, eu precisava dessa observação. É bom ter alternativas. Precisando de poder de fogo, temos um jeito de jogar. Precisando de qualidade no passe e posse de bola, temos outra”, comentou.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Com algumas brigas por posição no ataque, Guerrero segue merecendo a posição com boas atuações
Pela observação de Tite, o time foi muito “vertical”, pois Danilo era o único do quarteto ofensivo com paciência para trocar passes. Além disso, a presença de Pato como uma espécie de ponta de lança, perto de Guerrero, impede que atue centralizado alguém maior capacidade de organização.

A questão é que, como o chefe quer Pato perto do gol, ele só pode atuar nessa posição ou como centroavante – posto dominado por Guerrero, que teve ótimo desempenho neste domingo. Assim, com o camisa 7 em campo, será muito difícil a escalação de Emerson.

Contra o Boca Juniors, na Bombonera, é provável que Tite escolha entre Pato e Sheik. Com Danilo garantido na esquerda – feita a ressalva de eventuais problemas físicos –, o treinador ficaria entre o carrasco xeneize Romarinho e o bom marcador Jorge Henrique na direita.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade