Futebol/Campeonato Carioca - ( - Atualizado )

Vasco mergulha ainda mais em crise após derrota em clássico

Gazeta Press Rio de Janeiro (SP)

A derrota para o Botafogo fez o Vasco mergulhar em uma profunda crise, cujos reflexos poderão ser sentidos nos próximos dias. O resultado praticamente eliminou o time do Campeonato Carioca e, agora, resta a preparação para o Campeonato Brasileiro, que começa em maio. Até lá, sobram alguns jogos deficitários pelo Estadual, uma grave crise financeira e as dificuldades para pagar salários e contratar reforços de peso.

A crise se agravou na manhã desta quinta, quando vários membros da oposição levantaram a bandeira do impeachment do presidente Roberto Dinamite. Ex-dirigente do clube, Pedro Valente divulgou nota cobrando recadastramento de sócios e eleições em 30 dias. Pouco depois, Roberto Monteiro, vice-presidente do Conselho Deliberativo, manifestou-se em nota oficial fazendo pesadas críticas ao mandatário do clube.

Na semana passada, o presidente do Conselho de Beneméritos, Eurico Miranda, considerado grande nome da oposição, atacou Roberto Dinamite e René Simões, afirmando que o diretor-executivo do departamento de futebol não aparece nos momentos complicados e que pouco entende de futebol. Quando perguntado se poderia disputar a presidência com Roberto, saiu pela tangente.

“Hoje, não sou candidato, amanhã não sou candidato. Mas nada impede que um dia venha a ser”, comentou Eurico, visto por muitos como um nome capaz de derrubar Dinamite do comando.

Marcelo Sadio/vasco.com.br
Após derrota, Dinamite está ameaçado por possível concorrência de Eurico Miranda e até por impeachment
Dentro de campo, os reflexos também são sentidos. A maioria dos jogadores procurados para reforçar o clube declina do convite depois que se informa sobre a situação. Desconhecidos passam a ser oferecidos diariamente a um elenco inchado e com mais de 30 atletas. A estrela da companhia, o zagueiro Dedé, dificilmente emplacará o segundo semestre com a camisa do time, inclusive com Paulo Autuori admitindo publicamente que o defensor não ficará na Colina. Fala-se que ele estaria bem encaminhado em uma negociação com o Milan. Neste cenário fica o torcedor cada vez mais frustrado, manifestando-se em redes sociais e protestando a cada derrota ou vexame que a equipe dá em campo.

Toalha no chão: com apenas um ponto em quatro jogos, o Vasco ficou em situação bastante complicada na Taça Rio. A derrota para o Botafogo praticamente selou a eliminação da equipe no Estadual. Apesar de ter um tempo para mudar o planejamento da equipe, Autuori lamentou o momento.

“O Vasco não pode passar por isso. Fico chateado porque não estava na minha cabeça sair agora. Não digo que é bom ter esse tempo. Esse papo para mim não entra. Quero estar envolvido em todos os momentos decisivos. O Vasco tem de pensar assim. Mas não fomos capazes. A realidade é essa”, explicou o treinador, que ainda não conseguiu vencer no comando vascaíno.

Com experiência no futebol, o meia Carlos Alberto admitiu que a fase é ruim, mas alerta que o momento pede tranquilidade para que o elenco consiga mudar o panorama. “Agora é ter tranquilidade. Não diante querer encontrar culpado pela fase ruim da equipe, temos que assumir isso, trabalhar e entrar firme nas próximas competições”, receitou.

Na saída de campo, após a derrota para o rival Botafogo, o volante Wendel já começou a projetar o trabalho da equipe para o início do Nacional. Ao se lembrar da final da Taça Guanabara, o jogador admitiu que o Vasco ficou aquém no segundo turno.

“A gente não queria que isso acontecesse. Agora é trabalhar, para que a equipe consiga chegar forte no Brasileiro. Até porque na Taça Rio a gente deixou bastante a desejar”, reconheceu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade