Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Atletismo/Campeonato FPA Adulto - ( - Atualizado )

Karla Rosa da Silva faz índice para o Mundial no salto com vara

São Paulo (SP)

O Campeonato Adulto da Federação Paulista de Atletismo (FPA), no Parque do Ibirapuera, reservou mais um índice para o Mundial de Moscou, em agosto. Com a marca de 4,53m, Karla Rosa da Silva cravou a altura exigida pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) e se credenciou a ser uma das representantes do país na competição russa.

Mesmo com dores no joelho, Karla levou a melhor sobre Patrícia Gabriela dos Santos na final – as duas apareciam empatadas com 4,53m, mas a segunda falhou em um de seus saltos e abriu caminho para as conquistas do título e do índice pela rival.

Agência Luz/BM&FBOVESPA
Mesmo com dores no joelho, Karla Rosa da Silva liderou o Campeonato FPA Adulto e chegou ao índice da CBAt
“Ainda não estou acreditando muito. Eu estava me sentindo confiante, mas com dores no joelho que podiam atrapalhar meu salto. Tenho muito a agradecer à Lídia (Ferreira de Souza, fisioterapeuta de seu clube), que fez uma bandagem no meu joelho para que eu conseguisse saltar. Depois, disse a ela que essa bandagem me salvou, porque a dor amenizou muito”, relata uma emocionada Karla.

Mesmo com o índice da CBAt, a atleta não está garantida no Mundial de Moscou, já que os 4,53m equivalem ao índice B da Federação Internacional (IAAF). Como a companheira de equipe Fabiana Murer lidera o ranking brasileiro com 4,65m, Karla precisa atingir o índice A internacional, estabelecido em 4,60m, para ficar com a vaga.

"Estou perto da marca e vou tentar alcançá-la já no dia 18, no Circuito Aberto de Salto com Vara, no Centro Olímpico”, resume.

Juliana de Menis Campos alcança índice para o Mundial de Menores:

Divulgação
Nova dona do recorde brasileiro, Juliana disputará o Mundial de Menores (Foto: Contrapé)
Quarta colocada geral no salto com vara, Juliana de Menis Campos irá participar do Mundial de Menores. Com a marca de 3,83m, a atleta de 16 anos de idade cravou o índice exigido pela CBAt, além de superar o recorde brasileiro de competidoras até 17 anos – a marca anterior pertencia a Michaela Ruth Heitkotter desde 2002, com 3,81m.

"Fazia ginástica, mas acabei ficando muito alta. No início, não queria mudar de esporte, mas comecei a treinar salto com vara, me enturmei e gostei", resume Juliana.

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade