Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Bastidores - ( )

Afastados vencem abatimento para saírem logo do São Paulo

Tossiro Neto São Paulo (SP)

A programação do grupo principal do São Paulo no CT das divisões de base, em Cotia, tem sido a mesma dos jogadores encostados pela diretoria, na Barra Funda. Após abatimento inicial pelo afastamento surpresa, há uma semana, eles têm se dedicado ao máximo, sob orientação do preparador físico Sérgio Rocha, para acharem rapidamente outra equipe.

O grupo é formado por seis atletas: os zagueiros João Filipe e Luiz Eduardo, o lateral esquerdo Cortez, o volante Fabrício, o meia Cañete e o atacante Wallyson. O lateral esquerdo Henrique Miranda, que também integrava a lista de dispensas, já foi emprestado ao Figueirense até o fim desta temporada e é visto como exemplo para os ex-companheiros.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Fabrício é um dos jogadores que foram afastados na sexta-feira passada pela diretoria são-paulina
"Ele chegou lá pronto. Não adianta se desanimar e ter que recuperar o tempo perdido. Não é uma coisa simples, mas o pessoal tem cabeça boa e está trabalhando direito, porque, a qualquer momento, a situação deles pode mudar. Eles têm contrato, são profissionais e têm a vida pela frente. Uma hora, vai aparecer oportunidade, seja onde for", opina Rocha.

Como todo o restante do elenco está em Cotia, os trabalhos, embora intensos, resumem-se a exercícios entre o sexteto. "A gente segue os mesmos horários do grupo que está em Cotia, mas com treino técnico-físico, com bola, em campo reduzido", conta o preparador físico são-paulino, que recebeu os atletas na segunda-feira.

"No primeiro dia, estavam abatidos, é normal. Mas é o que eu falo sempre a eles: não dá para ficar lamentando. Agora a intensidade dos trabalhos tem sido boa. Todos estão cumprindo com suas obrigações", diz.

Da lista de encostados, somente Luiz Eduardo pode ter nova chance no futuro, seguindo caminho semelhante ao de Henrique Miranda: empréstimo seguido de retorno. Os demais, incluindo Cortez e Cañete – pelos quais o clube gastou total de aproximadamente R$ 13 milhões –, estão liberados para negócios em definitivo e devem deixar o São Paulo em breve.

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade