Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Bastidores - ( )

Agenciado por Kia, Dentinho almeja ficar mais oito anos na Europa

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

O atacante Dentinho ainda tenta emplacar na Europa uma sequência de jogos como a que teve com a camisa do Corinthians. Em entrevista à Gazeta Esportiva.net, depois de participação no Super Esporte, da TV Gazeta, o ex-alvinegro revelou que tem agora como agente o iraniano Kia Joorabchian e explicou que espera fazer sucesso no Besiktas para conseguir espaço em um clube maior.

“O Besiktas vai servir como um trampolim para mim, porque sei que tenho condições de jogar em um clube grande”, afirmou o atacante, que chegou ao time turco por empréstimo, no começo do ano.

Dentinho deixou o Corinthians em 2011 e se transferiu para o Shakhtar Donetsk, mas não teve o espaço que esperava na agremiação ucraniana e pediu para ser emprestado logo no fim daquele ano. A primeira tentativa não surtiu efeito, mas um novo apelo no começo desta temporada foi atendido.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Dentinho está no exterior desde 2011 e foi emprestado este ano ao Besiktas, mas sonha mais alto
A ida do time da Ucrânia para o Besiktas já foi intermediada pelo ex-investidor corintiano Kia, que se transformou no empresário do atleta há quatro meses. “Ele é uma pessoa que trabalha e faz tudo pelo jogador. Por isso que está com um monte de jogadores no Chelsea, como o David Luiz e outros. Estou bastante feliz”, acrescentou.

Apesar de ter recebido ofertas de equipes brasileiras, Dentinho prefere seguir no futebol europeu por mais tempo. O jogador, que sofreu uma lesão no quadril neste início de trajetória pelo Besiktas, espera se firmar no clube no segundo semestre, pois já se sente adaptado ao time.

“Não penso em voltar ao Brasil agora, mas tive algumas propostas. Falei que não era a hora ainda, porque estou muito feliz na Europa. Pretendo ficar fora por mais sete ou oito anos, a não ser que tenha alguma proposta que me convença a voltar. Penso na família também e na questão da violência no Brasil”, acrescentou.

A grande esperança do jogador é ter cada vez mais chances no futebol do exterior para realizar o sonho de virar opção também para a Seleção Brasileira. A decisão de buscar espaço fora do Shakhtar foi impulsionada pela falta de chances no time verde e amarelo mesmo quando estava sob o comando de seu ex-treinador no Corinthians, Mano Menezes.

“Sei que tenho condições e qualidade para ir para a Seleção e eu pensava em tudo isso (quando estava no Shakhtar), até porque o Mano estava como técnico. Mas não tive a oportunidade com ele. Pelo tempo que trabalhamos juntos, acho que eu poderia ter recebido uma chance e fiquei um pouco chateado. Como não tive essa oportunidade, pedi para ser emprestado para jogar mais. Agora, tenho de seguir meu rumo e voltar a ser o que sempre fui, marcando gols”, completou.

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade