Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Copa Libertadores - ( - Atualizado )

Bianchi elogia árbitro, rejeita status de carrasco e afaga Timão

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

Ainda que tenha vencido todos os sete confrontos eliminatórios contra times brasileiros na Copa Libertadores, incluindo as decisões diante de São Paulo, Palmeiras e Santos, o técnico Carlos Bianchi rejeita o status de carrasco. Diplomático, ele afagou o Corinthians e elogiou o árbitro Carlos Amarilla.

“Eu respeito muito os times brasileiros. Para mim, as equipes do Brasil estão entre as que jogam o melhor futebol e os jogadores brasileiros estão entre os melhores do mundo. Não tenho a pretensão de ser carrasco. Sempre pretendi trabalhar no Brasil e nunca pude fazê-lo. Afortunadamente, as coisas nos saem bem por aqui”, disse.

O experiente árbitro paraguaio Carlos Amarilla foi responsabilizado pelo Corinthians pela eliminação na medida em que cometeu erros em lances capitais. Classificado para as quartas de final da Libertadores, Bianchi aprovou a atuação do juiz no Estádio do Pacaembu.

“Eu acho que ele apitou bem. Advertiu quando tinha que advertir. Talvez tenha mostrado alguns cartões muito cedo, mas nunca perdeu o controle do jogo, sempre comandou a partida como desejava. Se o árbitro consegue controlar uma partida dessa natureza, é sinal que tem personalidade”, elogiou.

Dono de quatro títulos da Copa Libertadores, um recorde, o técnico Carlos Bianchi reverenciou o Corinthians. A queda logo nas oitavas de final do torneio não tira do time brasileiro a posição de melhor equipe do continente, afirmou o comandante do Boca Juniors.

Fernando Dantas/Gazeta Press
O técnico Carlos Bianchi, algoz do Corinthians, tem quatro títulos da Copa Libertadores, um recorde histórico
“Tenho muito respeito pelo Corinthians. Não ganhou o Mundial e a Libertadores por acaso e acho que vai participar novamente no ano que vem. É uma equipe muito boa. Apesar da desclassificação, continuo considerando o Corinthians como o melhor time da América”, elogiou.

Campeão de duas edições da Copa Libertadores ao lado de Juan Román Riquelme, ele viu o meia decidir mais uma partida. Carlos Bianchi, responsável direto pela volta do veterano ao Boca Juniors, tratou de valorizou a performance de seu camisa 10 no confronto com o Corinthians.

“Se ele não tivesse ficado parado por cinco meses, estaria ainda melhor. Os que criticam o Román devem saber que ele é um homem muito orgulhoso. Sabemos que não consegue jogar mais como jogava há 10 anos, mas ainda é muito importante no manejo de bola. Tomara que não tenha mais problemas físicos”, afirmou o técnico, rival do Newell's Old Boys nas quartas de final.

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade