Comercial Expediente Contato
Acompanhe o GE.net
Futebol/Campeonato Carioca - ( - Atualizado )

Líder em pouco tempo, ‘General’ Bolívar exalta parceria com Seedorf

São Paulo (SP)

Contratado para resolver os problemas da defesa do Botafogo, Bolívar já caiu nas graças da torcida. O zagueiro mostrou raça, espírito de liderança e já levantou três taças com a camisa alvinegra, sendo um dos protagonistas da recuperação da equipe treinada por Oswaldo de Oliveira após início de ano conturbado.

“Iniciamos muito mal a Taça Guanabara, mas na semifinal (contra o Flamengo) e na final (contra o Vasco da Gama) conseguimos criar uma identidade. Foi a equipe menos vazada e a que mais fez gols na Taça Rio e passou a ser uma muito equilibrada dentro de campo”, analisou o defensor ao canal SporTVnesta segunda-feira.

Um dos fatores apontados pelo ex-colorado para a reviravolta na temporada é o espaço concedido por Oswaldo a todos os jogadores do Glorioso: “O Oswaldo dá essa liberdade para os jogadores darem opinião até no esquema tático. Se eu tiver de falar alguma coisa para a equipe, eu vou falar, pois estamos todos no mesmo barco”.

Com histórico de xerife desde os tempos de Internacional, Bolívar se tornou ‘General’ no time da Estrela Solitária e revelou ter se tornado parceiro do holandês Clarence Seedorf para comandar as revelações das categorias de base do alvinegro.

“É natural, pela história que criei no Inter de liderança, de ser capitão por vários anos. Joguei com André Cruz, Clemer e Sangaletti e observei muito esses caras. Mesmo hoje com 32 anos eu fico olhando o Seedorf para ver até como ele amarra as chuteiras. Ele é um cara muito especial. No ano passado ele disse que sentiu falta de alguém para dividir a liderança”, exaltou.

Feliz com a conquista do Campeonato Carioca sobre o Fluminense, o zagueiro aproveitou para fazer um desabafo. Ciente do mau momento vivido na reta final de sua passagem pelo Internacional, Bolívar reclamou da diferença de tratamento entre veteranos que chegam do exterior e os que já estavam no futebol brasileiro.

“Jogador que vem da Europa acima dos 30 anos é experiente. Se é daqui mesmo, é velho. Jogador não desaprende. O momento não era bom, ee joguei mal, a equipe também não esta bem. Sempre assumi isso. Aqui no Botafogo quis provar para os outros e para mim mesmo que ainda sou capaz de atuar em alto nível”, garantiu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade