Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Copa das Confederações - ( )

Após Maracanaço, Brasil sofreu só uma derrota em casa para Uruguai

Luiz Ricardo Fini e William Correia São Paulo (SP)

A vitória sobre o Brasil na final da Copa do Mundo de 1950, no Maracanã, inspira o Uruguai até hoje em partidas contra a equipe verde-amarela. Porém, se depender do retrospecto depois do Maracanaço, o time celeste não tem tantos motivos para se empolgar para a semifinal da Copa das Confederações, que será disputada nesta quarta-feira, no Mineirão.

Depois da histórica vitória na única final de Copa realizada até hoje no Brasil, os uruguaios atuaram novamente em território brasileiro mais 17 vezes contra os anfitriões e venceram apenas uma partida, em 25 de novembro de 1992, em um controverso amistoso disputado no estádio Amigão, em Campina Grande, que terminou com vaias da torcida local.

Sem jogadores dos clubes europeus, o então técnico do Brasil, Carlos Alberto Parreira, formou os titulares apenas com atletas que atuavam no futebol brasileiro, ouvindo muitas reclamações das agremiações, que tiveram de liberar suas estrelas. A edição do jornal A Gazeta Esportiva do dia do jogo comprovou o desconforto dos times, mas exaltou também a sequência invicta que se estendia desde 1950.

“Para dar um interesse maior a um jogo que muitos criticam pela época em que é realizado, ainda há o fato de que o Uruguai está na chave do Brasil nas Eliminatórias. No entanto, há uma curiosidade no fato de o Brasil estar invicto contra a ‘Celeste Olímpica’ desde 1950 nos jogos que foram realizados no nosso País”, informou o diário.

Reprodução/A Gazeta Esportiva
Na edição de 26 de novembro de 1992, a Gazeta Esportiva destacou a derrota brasileira

Mas a invencibilidade em casa acabou naquela noite, justamente quando o técnico do Brasil no Maracanaço, Flávio Costa, estava nas arquibancadas, junto com outros ex-atletas homenageados, como Nilton Santos, que chegou a chorar de emoção. “Esta homenagem chegou atrasada, pois muitos já se foram. Mas antes tarde do que nunca”, comentou, em reportagem de A Gazeta Esportiva.

A Seleção caseira começou com um ritmo forte e abriu o placar, com gol do atacante Edmundo, que era do Vasco na época. A situação começou a se complicar quando o atacante Evair sofreu uma distensão muscular ainda no primeiro tempo, dando lugar a Nilson. A equipe local sofreu uma queda gradual de rendimento e levou o empate em lance infeliz do goleiro Gilmar.

“Fui na bola achando que ela estava fácil, mas o chute do Cabrera veio com muito efeito. Melhor perder agora do que nas Eliminatórias”, lamentou o arqueiro, enquanto Parreira se conformava por não ter contado com atletas que atuavam no exterior.

Os uruguaios, que reclamaram de cansaço assim que chegaram ao Brasil, exibiram um condicionamento físico capaz de virar o placar depois do gol de Edmundo. Cabrera e Guerra garantiram a vitória para os visitantes, em resultado considerado histórico pelos principais jornais do país vizinho no dia seguinte. Afinal, desde o Maracanaço, a celeste acumulava dez derrotas e um empate em território brasileiro.

O tropeço de virada tirou a paciência da torcida em Campina Grande. Antes de a bola rolar, os atletas elogiaram todo o apoio que receberam dos fãs no local, mas a situação mudou com o resultado. “Vaias para o Brasil”, exibiu a edição de A Gazeta Esportiva no dia seguinte à derrota.

Porém, depois do amistoso em Campina Grande, o Brasil retomou sua soberania em casa contra o Uruguai. Desde o tropeço em 1992, a Seleção não perdeu mais em seus domínios para o adversário (três vitórias e dois empates). Nesta quarta-feira, às 16 horas (de Brasília), o time de Luiz Felipe Scolari precisa manter o retrospecto para avançar à decisão da Copa das Confederações.

Confira a ficha técnica da partida de 1992:
BRASIL 1 X 2 URUGUAI

Local: estádio Amigão, em Campinas Grande (PB)
Data: 25 de novembro de 1992, quarta-feira
Horário: 22h30 (de Brasília)
Público: 13.150 pagantes
Renda: Cr$ 867.770.000,00
Árbitro: José Clizaldo da Silva França (PB)
Cartões amarelos: Ronaldão (Brasil); Cabrera, Garcia, Ostolaza, Saralegui e Pelleti (Uruguai)
Gols:
BRASIL: Edmundo, aos cinco minutos do primeiro tempo
URUGUAI: Cabrera, aos 42 minutos do primeiro tempo; Guerra, aos 20 minutos do segundo tempo

BRASIL: Gilmar; Luís Carlos Winck (Vitor), Ronaldão, Válber e Roberto Carlos; César Sampaio (Palhinha), Júnior e Raí; Edmundo, Evair (Nilson) e Zinho (Elivélton)
Técnico: Carlos Alberto Parreira

URUGUAI: Siboldi; Da Luz, Sanches, Moas e Cabrera; Moran, Ostolaza e Saralegui; Pelleti, Guerra e Garcia (Carlos Sanches)
Técnico: Luís Cubillas

Confira abaixo os jogos contra o Uruguai no Brasil depois do Maracanaço:
24/06/1956 Brasil 2 x 0 Uruguai - Rio de Janeiro
07/09/1965 Brasil 3 x 0 Uruguai - Belo Horizonte
09/06/1968 Brasil 2 x 0 Uruguai - São Paulo
12/06/1968 Brasil 4 x 0 Uruguai - Rio de Janeiro
28/04/1976 Brasil 2 x 1 Uruguai - Rio de Janeiro
31/05/1979 Brasil 5 x 1 Uruguai - Rio de Janeiro
27/08/1980 Brasil 1 x 0 Uruguai - Fortaleza
04/11/1983 Brasil 1 x 1 Uruguai - Salvador
21/06/1984 Brasil 1 x 0 Uruguai - Curitiba
02/05/1985 Brasil 2 x 0 Uruguai - Recife
16/07/1989 Brasil 1 x 0 Uruguai - Rio de Janeiro
25/11/1992 Brasil 1 x 2 Uruguai - Campina Grande
19/09/1993 Brasil 2 x 0 Uruguai - Rio de Janeiro
11/10/1995 Brasil 2 x 0 Uruguai - Salvador
28/06/2000 Brasil 1 x 1 Uruguai - Rio de Janeiro
19/11/2003 Brasil 3 x 3 Uruguai - Curitiba
21/11/2007 Brasil 2 x 1 Uruguai - São Paulo

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade