Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Brasileiro Série B - ( - Atualizado )

Bruno ganha confiança para dois últimos jogos antes de Prass voltar

São Paulo (SP)

Após se destacar positivamente na eliminação nas quartas de final do Paulista diante do Santos e na ida das oitavas de final da Libertadores, contra o Tijuana, Bruno foi cogitado a ser titular do Palmeiras mesmo quando Fernando Prass voltasse. Mas a situação, hoje, mudou. E o camisa 1 recebe força para seus prováveis dois últimos jogos no time.

Caso não se machuque, Bruno ainda iniciará as partidas diante do Sport, no sábado, no Recife, e do América-RN, na terça-feira, no Rio Grande do Norte. Nenhum jogo com o Verdão como mandante, o que diminui as chances de ouvir as críticas que o fizeram até chamar um torcedor para a briga após a derrota de sábado, para o América-MG, em Itu.

Contra o Avaí, o goleiro, ao menos, não falhou no gol catarinense na vitória palmeirense por 2 a 1. E foi elogiado por seu técnico. “No jogo contra o Atlético-GO, estava 0 a 0 e ele fez uma defesa espetacular. Poderia ser uma derrota ali. E contra o Avaí foi da mesma maneira”, falou Gilson Kleina.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Goleiro enfrentará Sport e América-RN antes de Prass voltar, após a Copa das Confederações
“Achei o Bruno seguro. As pessoas que trabalham diretamente com ele conversam bastante, e temos que nos apoiar porque o erro de um é de todos. Quem trabalha no Palmeiras tem outro peso, sabemos da pressão. Só vamos trazer o torcedor para junto se nos dedicarmos e mostrarmos desempenho lá dentro”, prosseguiu o técnico.

Em julho, Fernando Prass já deve estar plenamente recuperado da lesão no ombro esquerdo que trata desde 21 de abril. Até lá, inclusive o goleiro titular passa confiança para Bruno superar as decisivas falhas que teve nas derrotas para o Tijuana, que eliminou o Verdão na Libertadores, e para o América-MG.

“O próprio Prass dá força e moral. Se o Prass estiver bem, quero que o Bruno esteja na melhor fase dele”, disse Kleina, já sem esconder mais, porém, sua preferencia como titular. “Estamos bem servidos. Se tiver que acontecer uma transição na volta do Fernando, vai acontecer”, admitiu.

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade