Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Seleção Brasileira - ( - Atualizado )

Goleiro pegou pena perpétua, mas teve compaixão genial

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Barbosa lamentou pouco antes de morrer, em 2000, que sua punição pela derrota para o Uruguai na final da Copa do Mundo de 1950 já durava bem mais do que a pena máxima de três décadas instituída na legislação brasileira. É, no entanto, comparável ao duro castigo a compaixão genial despertada pelo goleiro.

Ninguém acreditou mais no homem brasileiro --- e, por extensão, ainda mais, na Seleção --- do que Nelson Rodrigues. “O escrete não é outra coisa senão a pátria”, escreveu o cronista, orgulhoso ao afirmar: “Nós somos maiores, porque somos Brasil, imensamente Brasil, eternamente Brasil”. Nem por isso o jornalista tricolor procurou responsabilizar o goleiro do Vasco pela decepção no Maracanã.

Veja fotos da carreira do goleiro Barbosa
Confira imagens do local em que descansa o goleiro
Herdeira recomenda pensamento positivo a Júlio César
Pedaço da trave da decisão de 1950 está em leilão
Ídolo vascaíno deixou de ser pai por causa do futebol
Nem cães tocaram no banquete pós-Maracanazo
Ghiggia pediu desculpas e virou amigo daquele que castigou
Birinaite rendeu "filha do coração" e samba no cemitério
Brasileiro também é capaz de demonstrar uma "memória longa"
Júlio volta para "casa" para vingar Barbosa de vez

O fracasso diante dos uruguaios não foi explicado por Nelson por meio do chute de Ghiggia, que definiu o triunfo celeste por 2 a 1, mas pela “inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo”. Segundo ele, “Obdulio (Varella) nos tratou a pontapés, como se vira-latas fôssemos”.

Reprodução
Nelson Rodrigues exaltou a "eternidade salubérrima" de Barbosa, que atuou até os 41 anos
Nove anos após a derrota histórica, a equipe verde-amarela já havia chutado o complexo e conquistado o Mundial, na Suécia, porém o cronista continuava defendendo o arqueiro campineiro. Míope, ele fazia questão de observar muito além da bola, “um reles, um ínfimo, um ridículo detalhe”.

“Vejam 50. Quando se fala em 50, ninguém pensa num colapso geral, numa pane coletiva. Não. O sujeito pensa em Barbosa, o sujeito descarrega em Barbosa a responsabilidade maciça, compacta, da derrota. O gol de Ghiggia ficou gravado, na memória nacional, como um frango eterno. O brasileiro já se esqueceu da febre amarela, da vacina obrigatória, da Espanhola, do assassinato do Pinheiro Machado. Mas o que ele não esquece, nem a tiro, é o chamado frango de Barbosa”, comentou.

Acervo/Gazeta Press
A "elegância atlética" do goleiro encantou Nei Lopes
“Qualquer um já estaria morto, enterrado, com o seguinte epitáfio:  --- ‘Aqui jaz fulano, assassinado por um frango’. Ora, eu comecei a desconfiar da eternidade de Barbosa quando ele sobreviveu a 50. Então, concluí de mim para mim: --- ‘Esse camarada não morre mais!’. Não morreu e pelo contrário: --- está cada vez mais vivo”, acrescentou, em um texto no qual elogiava a “eternidade salubérrima” do goleiro, então com 38 anos, e sua atuação “sublime” em uma derrota por 3 a 0 do Vasco para o Santos de Pelé.

O irmão de Nelson também não se apressou em apontar o dedo para Barbosa. Mário Filho --- que viria a se tornar o nome do estádio onde Obdulio nos tratou a pontapés --- ampliou sua obra máxima, “O negro no futebol brasileiro”, publicada originalmente em 1947, e ajudou a explicar 1950. Ele descreveu a questão racial envolvida na responsabilização de dois negros, Barbosa e Bigode, e um mulato, Juvenal, pela dor de 1950. E vibrou porque foram um negro e um mulato, Pelé e Garrincha, que acabaram redimindo a nação.

Armando Nogueira, outro cronista esportivo histórico, foi mais um a defender aquele que considerava, “certamente, a criatura mais injustiçada na história do futebol brasileiro”. “Era um goleiro magistral. Fazia milagres, desviando de mão trocada bolas envenenadas. O gol de Ghiggia, na final da Copa de 50, caiu-lhe como uma maldição. E quanto mais vejo o lance, mais o absolvo. Aquele jogo o Brasil perdeu na véspera”, comentou.

Divulgação
O personagem de Fagundes volta a 1950 para recuperar a esperança perdida no Maracanã
A ótima lista de advogados que não conseguiram evitar a pena perpétua paga por Barbosa tem ainda nomes como o sambista Nei Lopes, que comemorou seis títulos cariocas de seu Vasco admirando “a elegância atlética, a dignidade elástica” do goleiro. A defesa do arqueiro tomou também formato audiovisual, no premiado curta-metragem “Barbosa” (1988), de Ana Luiza Azevedo e Jorge Furtado.

No filme, um homem de 49 anos interpretado por Antônio Fagundes volta no tempo e desembarca em 16 de julho de 1950 para impedir o gol de Ghiggia. “Não sei ao certo se foi para mudar o destino desse homem ou se foi para salvar a minha própria vida que programei a máquina para aquele dia”, diz o viajante, antes de encontrar uma imagem perturbadora na chegada: “O que eu via agora eram 200 mil pessoas a caminho da tragédia, confiando numa coisa tão absurda como a justiça da história”.

O curta é baseado no livro “Anatomia de uma derrota”, de Paulo Perdigão, que narrou e analisou minuciosamente a decisão no Maracanã e seus desdobramentos, ampliando em 2000 a elogiada versão de 1985. Publicado originalmente em 2000 e relançado neste ano, “Barbosa, um gol silencia o Brasil”, de Roberto Mulayert, é outra obra indicada a quem busca os detalhes da final sob vários pontos de vista, não apenas o do goleiro brasileiro.

Divulgação
Em "Malhação", o goleiro Maicon, do Nacional, buscava proteção em Barbosa
Marcello Melo Junior não tinha lido nada disso quando ganhou o papel de um goleiro na telenovela global “Malhação”. Em 2011, o ator flamenguista precisou estudar antes de interpretar Maicon, que tinha o ídolo vascaíno como um santo protetor. Mello contou ter ficado honrado em recuperar a imagem de Barbosa e se impressionou “com essa grande injustiça”.

Justiça mesmo só fez a ficção. E até lá ela tardou. Raul Drewnick escreveu “O Goleiro Fantasma” em 1995 e só conseguiu publicá-lo em 2011. O rótulo de infanto-juvenil fica longe de resumir o livro, uma homenagem ao “mártir supremo do futebol brasileiro”, que, se cumpriu pena máxima pelo Maracanazo, conseguiu tocar muita gente sensível.

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade