Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Copa das Confederações - ( )

Já sem dívida, Hernanes ainda crê que pode ser titular na estreia

William Correia, enviado especial Porto Alegre (RS)

Os dois amistosos antes da estreia na Copa das Confederações foram de alívio para Hernanes. Apesar de ter começado na reserva, o volante saiu do banco para chutar a bola que Paulinho mandou nas redes no rebote no empate com a Inglaterra e marcou gol sobre a França, quitando uma dívida pessoal. Foi tão decisivo que ainda acredita: pode ser titular no sábado, contra o Japão.

“Meu objetivo é começar jogando, conseguir essa vaga. O mais importante é fazer a diferença de alguma maneira, entrando no começo, no meio ou no fim. E estou passando essa imagem não só para o Felipão, mas para o torcedor de que estarei pronto para ajudar a Seleção”, disse o meio-campista.

A seu favor, o jogador da Lazio tem sua movimentação da defesa ao ataque, tendo ou não a bola nos pés, assim como Luiz Felipe Scolari pede. “O Felipão não combina o tempo que cada um vai jogar, mas como nos quer em campo. A minha característica é de fazer o time jogar e chegar à frente como surpresa, e estou preparado para executar isso entrando durante o jogo ou desde o início.”

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Hernanes agradece a Neymar pela assistência que aliviou um peso nas costas e provou sua qualidade
E já sem um enorme peso nas costas. O atleta revelado pelo São Paulo não conseguia esquecer da expulsão diante da França, em amistoso que o Brasil perdeu em 2011 em Saint-Denis, que comprometeu sua continuidade com Mano Menezes. O gol sob o comando de Felipão, em Porto Alegre, ‘lavou sua alma’.

“Não pensei naquele jogo só quando entrei. Há dois anos aquilo não sai da minha cabeça, até porque vira e mexe alguém me perguntava sobre isso. Não teve como esquecer”, comentou Hernanes, que abre um largo sorriso e até se demonstra emocionado com sua volta por cima ao falar do assunto.

“Aquela coisa fica na tua cabeça, mas quitei a dívida. Eu tinha um débito que ficou aberto no passado, mas pude quitar: em poucos minutos fiz um gol e ajudei em um momento crítico, porque 1 a 0 é perigoso. Estou livre, com a consciência tranquila. Sou um cara que não gosta de dever nada para ninguém”, declarou.

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade