Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Copa das Confederações - ( - Atualizado )

Mesmo com elogio a Mano, Cafu admite mudança de espírito com Felipão

Luiz Ricardo Fini, enviado especial Rio de Janeiro (RJ)

O ex-lateral direito Cafu demonstra não ter concordado com o momento em que Mano Menezes foi demitido da Seleção Brasileira. Porém, apesar de acreditar que o ex-treinador da equipe havia encontrado a base ideal, o capitão do pentacampeonato reconhece que o Brasil vem exibindo um espírito diferente sob o comando de Luiz Felipe Scolari.

“Por estar em uma competição oficial, o Felipão pode trabalhar de maneira mais tranquila e tem uma mudança de espírito, mas não que o Mano também não conseguisse. Só que os dois têm estilos diferentes, e o do Felipão está dando certo agora”, afirmou.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Cafu acredita que o Brasil está conseguindo ter novamente a cara de seu futebol
Presente em uma entrevista oficial da Fifa na manhã deste domingo, no estádio do Maracanã, Cafu se mostrou um defensor do trabalho do atual técnico do Flamengo, mas admitiu que as vitórias do Brasil no amistoso contra a França e na estreia da Copa das Confederações, diante do Japão, dão um respaldo a Felipão.

“O Mano vinha fazendo um ótimo trabalho na Seleção e, quando escolheu o esquema certo, com uma identidade, ele foi tirado de lá. São dois esquemas completamente diferentes com os dois. Se me perguntam se tem diferença, acho que os resultados falam por si”, avaliou.

Cafu entende que, mais do que pela vitória por 3 a 0, o Brasil conquistou a torcida com o desempenho em campo no estádio Mané Garrincha, recuperando um pouco da confiança que estava abalada por anos de decepções.

“Foi uma grande atuação da Seleção, que começa a ter a cara e a identidade do Brasil. As substituições que o Felipão fez também deram certo. Falam que isso só aconteceu porque foi contra o Japão, mas em outras vezes que o enfrentamos não conseguimos jogar como ontem (sábado)”, completou.

Depois de falar com desenvoltura sobre as mudanças na Seleção, Cafu se mostrou um pouco constrangido ao ser questionado sobre as vaias que a presidente Dilma Rousseff recebeu da torcida antes do jogo do time de Felipão, em Brasília. “Sabia que essa pergunta sobraria para mim”, sorriu, encabulado.

“Ela é a autoridade máxima do País, uma pessoa que sem sombra de duvida impõe respeito. É uma situação ruim e desagradável, que não repercutiu muito bem mundialmente, mas é a voz do povo brasileiro. Só acho que deveríamos ter respeito com todo mundo”, concluiu.

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade