Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Milhares na Paulista ironizam Neymar e Fifa em protesto contra Copa

São Paulo (SP)

Na noite desta terça-feira, mais uma vez milhares de pessoas pararam a Avenida Paulista, uma das principais vias de São Paulo e marco econômico na América Latina, em protesto contra a realidade brasileira. E a Copa do Mundo do ano que vem foi um dos principais motivos de reivindicações.

Nem mesmo jogadores da Seleção Brasileira foram poupados. Um grande grupo se juntou e passou a gritar “Brasil, vamos acordar! Professor vale mais que o Neymar”. O atual camisa 10 foi vendido pelo Santos ao Barcelona em transação de R$ 158 milhões.

A Fifa não escapou dos ataques. Um dos cantos entoados pela multidão era “Ei, Fifa, paga minha tarifa!” em alusão ao aumento no preço das passagens de ônibus na capital paulista – subiu de R$ 3 para R$ 3,20 e acabou sendo o estopim das manifestações há duas semanas. A entidade que comanda o futebol no mundo também foi alvo de músicas com palavrões e xingamentos.

Muitos cartazes lembravam o Mundial que será organizado em 2014. “Além de torcedor, seja cidadão! Padrão Fifa na saúde e na educação”, pediu um deles. “Brasil: me chame de Copa e invista em mim. Ass: saúde brasileira”, indicou outro. “Quando seu filho ficar doente, leve-o ao estádio”, ironizou mais um.

Em relação à competição, havia cartolinas com as inscrições “Imagina na Copa” – termo adotado de forma irônica pela população e que um dos principais patrocinadores do torneio tem usado em suas campanhas de publicidade –, “O Brasil não é só futebol e samba” e “Não queremos Copa! Nós queremos escolas".

Marcelo Ferrelli/Gazeta Press
Milhares, mais uma vez, pararam a Paulista e incluíram os gastos na Copa entre suas razões de protesto
Nesta terça-feira, o secretário-executivo do Ministério do Esporte, Luiz Fernandes, divulgou que o custo das obras para a Copa do Mundo subiu de R$ 25,5 bilhões para R$ 28 bilhões. O Ministério, contudo, contesta a informação de aumento porque os gastos ainda estão dentro do orçamento de R$ 33 bilhões para o torneio.

Sobre futebol, um torcedor que andava trajando uma camisa com uma caricatura de Sócrates e a inscrição “Fiel 8 anos RJ” carregava um cartaz com os dizeres “Liberdade. Faltam 5. Bolívia”. A mensagem é em relação aos cinco corintianos ainda presos em Oruro, cidade onde um sinalizador disparado da torcida alvinegra matou Kevin Beltrán Espada, de 14 anos, durante empate entre Corinthians e San José, em 20 de fevereiro.

Marcelo Ferrelli/Gazeta Press
Os cinco torcedores corintianos que continuam presos em Oruro também foram lembrados na manifestação

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade