Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Brasileiro Série B - ( )

Por sequência sem lesões, Valdivia pode voltar a jogar só em julho

São Paulo (SP)

Sem entrar em campo desde 14 de março, Valdivia pode entrar em campo só depois da Copa das Confederações. Apesar de já ter voltado a treinar na semana passada, o chileno ainda não inspira confiança suficiente para que a comissão técnica o garanta nas duas próximas rodadas da Série B do Brasileiro.

“Ele é um grande jogador. Precisamos dele para uma sequência, não vamos atropelar o protocolo”, justificou Gilson Kleina, explicando que não quer contar com o jogador só por algumas partidas. E também precisa saber dele em relação às dores na coxa direita. “É importante também ouvir dele.”

O camisa 10 esteve perto de jogar antes do mata-mata no Paulista e na Libertadores, no fim de maio, quando já treinava normalmente e exames mostravam que sua lesão estava cicatrizada. Mas o jogador, que já disse dar prioridade à seleção, reclamou de dores logo após o clube não liberá-lo para atuar no amistoso entre Brasil e Chile.

Agora, a postura adotada por todos no Verdão sobre o meia é de extrema cautela, a ponto de ele poder ficar à disposição só em julho. “O Valdivia participou de alguns treinos. Se já estiver treinando com a intensidade que queremos, o departamento médico, os fisioterapeutas e os preparadores físicos constatarem que ele tem condição, vamos levar”, disse Kleina.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Chileno treina com o elenco desde a semana passada, mas ainda não inspira confiança para ser relacionado
Outros jogadores machucados, contudo, estão mais próximos do retorno, como Vilson, que passou por artroscopia no joelho esquerdo em 22 de abril, e Patrick Vieira, fora por contusão na coxa esquerda gerada em pancada sofrida em 3 de abril. E Fernando Prass, que machucou o ombro esquerdo em 21 de abril, é preparado para jogar em julho.

“O Patrick Vieira precisa de mais condição, acredito que vai ter uma sequencia melhor a partir do jogo-treino desta quarta-feira. O Vilson ainda não cicatrizou, e isso limita. Fizemos alguns treinos e ele não teve a dinâmica de antes”, explicou Kleina.

O treinador, entretanto, se preocupa em colocar Valdivia no mesmo nível dos demais, embora ninguém esteja há tanto tempo fora. “São jogadores que estamos recuperando. Já foi o Fernandinho, amanhã pode ser o Patrick, depois o Valdivia. O torcedor pode ficar tranquilo: vamos fazer uma equipe muito coesa”, prometeu.

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade