Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Copa das Confederações - ( - Atualizado )

Roberto Carlos se disfarça para chegar ao Castelão com segurança

Helder Júnior, enviado especial Fortaleza (CE)

O lateral esquerdo aposentado Roberto Carlos foi uma das milhares de pessoas que precisaram caminhar quase cinco quilômetros para conseguir chegar ao Castelão na tarde desta quarta-feira, data da partida entre Brasil e México, pela Copa das Confederações. Já dentro do estádio, ele encontrou a Gazeta Esportiva, recuperou o fôlego e relatou o que viu no trajeto onde houve confronto entre policiais e manifestantes.

“Era uma confusão danada lá fora. Tentei passar com o carro, mas estava sem credencial e não consegui. Tive que andar no meio da bagunça toda. Nessas horas, é melhor ser anônimo”, disse Roberto Carlos, sorrindo.

Precavido, o atual técnico do time turco Sivasspor e comentarista de uma emissora mexicana de televisão durante a Copa das Confederações recorreu a um boné para se disfarçar em meio à multidão. “Deixei esse chapéu bem enfiado na cabeça e apertei o passo, escondido. Era melhor não ser reconhecido. Alguns até me perguntavam se eu era o Roberto Carlos. Respondia que não, que todo o mundo me achava parecido, mesmo”, narrou.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Em 2005, Roberto Carlos vestiu peruca pela Seleção; desta vez, ele usou um boné para se disfarçar
Apesar de não gostar de ir às ruas, Roberto Carlos apoiou as manifestações que cobram melhores condições de vida à população. “Tudo é válido, desde que sem violência. No carro, eu até estava falando para amigos que as pessoas não querem um estádio lindo desses, com um monte de dinheiro público, e sim resolver os seus problemas sociais”, observou. “Mas o povo perde a razão quando faz uso da violência”, ponderou.

Os manifestantes do entorno do Castelão entraram em conflito com os policiais por volta de 12 horas (de Brasília), quando decidiram transpor a barreira que lhes era imposta. Os gritos de “sem violência” não impediram o Batalhão de Choque de agir para conter o avanço do protesto.

Alerta à Seleção
A serviço de uma emissora de televisão mexicana, Roberto Carlos mostrou respeito ao adversário do Brasil deste meio de semana. “Já joguei contra o México e sei que é uma boa seleção, perigosa, complicada. E todos querem ganhar do Brasil. Mas o nosso time começou bem o campeonato, com uma mentalidade forte, e tem tudo para ir longe”, apostou.

O aposentado ainda deixou registrado um elogio para o seu sucessor no Real Madrid, da Espanha, e na Seleção Brasileira. “O Marcelo está muito bem mesmo. Ele tem tudo para ser bastante útil ao Felipão na sequência da Copa das Confederações e na Copa do Mundo de 2014”, enalteceu Roberto Carlos, que, já sem o disfarce, era presa fácil para o assédio de torcedores no Castelão.

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade