Futebol/Libertadores - ( - Atualizado )

Com ‘missão cumprida’, Bernard não revela destino no futebol europeu

Do correspondente Wanderson Lima Belo Horizonte (MG)

Um dos heróis da conquista do título da Libertadores foi sem dúvida o garoto Bernard, que terminou a decisão contra os paraguaios do Olimpia com câimbras nas duas pernas, mas se entregando ao máximo para entrar para a história do Galo como campeão da América.Bastante emocionado, o jogador afirmou que procurou ajudar da melhor maneira possível para dar alegria para a torcida atleticana.

“O importante foi o título. Tentei ajudar da melhor maneira possível, infelizmente no final do jogo senti câimbras nas duas pernas, tanto na panturrilha, quanto na coxa. É complicado, difícil, mas ver a alegria destes torcedores é a minha, e tentei ajudar da melhor maneira possível para chegar ao título”, declarou.

O duelo contra o Olimpia pode ter sido o último de Bernard com a camisa do Atlético-MG. A joia atleticana tem proposta dos ingleses do Arsenal, mas o atleta não quis confirmar oficialmente a transferência, porém, deu indícios que dificilmente ficará no Galo. Questionado sobre o possível destino, o meia-atacante não quis revelar, citou o futebol inglês, o ucraniano Shakhtar e o português Porto. Enquanto concedia entrevista, chegou a ser abraçado por Alecsanro, que praticamente confirmou a transferência.

“Desde o início da temporada existiam especulações sobre se eu iria sair ou não, e eu falei que se um dia eu saísse do Atlético-MG seria com um título de expressão. O que vai acontecer comigo amanha só cabe a Deus decidir agora. Meu desejo é de ficar. Não tenho nem o que falar desta torcida, desta cidade, e se eu pudesse eu ficaria aqui pelo resto da vida”, afirmou.

Revelado nas categorias de base do Atlético-MG, Bernard não fez sua primeira partida no profissional pelo Galo. Em 2010, o garoto foi emprestado para o Democrata de Sete Lagoas e disputou a Segunda Divisão do Campeonato Mineiro nos últimos meses do ano. Artilheiro da competição, o meia-atacante encantou Dorival Júnior, então treinador alvinegro, que logo convocou o jogador para integrar o elenco principal da equipe de Vespasiano.

De volta à Cidade do Galo em 2011, Bernard teve um desempenho discreto, em uma temporada que o Atlético-MG foi apenas o 15º colocado no Campeonato Brasileiro e perdeu a chance de rebaixar o rival Cruzeiro para a Série B. A titularidade, no entanto, estava garantido e o ano seguinte prometia ser diferente.

O Atlético-MG reformulou seu elenco e conquistou o Campeonato Mineiro logo no primeiro semestre. Leandro Donizete, Jô e Victor chegaram para reforçar o elenco, liderado, desta vez, pelo astro Ronaldinho Gaúcho, que levou o Galo à sonhada disputa da Libertadores. A promessa Bernard vingou, foi importante na campanha alvinegra e passou a ganhar os holofotes do futebol brasileiro.

Ainda com 21 anos, o meia-atacante tinha a responsabilidade de ajudar seus companheiros na concretização de um sonho atleticano: a conquista da Libertadores. Bernard parece não ter sentido o peso, e, com alegria nas pernas, continuou como um dos principais jogadores do Galo. A Arena Independência se tornou o ‘caldeirão’ alvinegro, mas para o garoto era um palco no qual passou a ser ovacionado pela Massa.

O futebol alegre não só agradou ao treinador atleticano Cuca, mas também despertou o interesse de outro comandante. Luiz Felipe Scolari aprovou o desempenho do garoto e convocou Bernard para a disputa da Copa das Confederações pela Seleção Brasileira. Durante a preparação, Felipão não escondeu a surpresa. Era um jogador diferente, “tinha alegria nas pernas”.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade