Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Recopa Sul-americana - ( - Atualizado )

“Corintiano até morrer”, Danilo pede que Timão ignore fase do rival

Estevão Taiar, especial para a Ge.Net São Paulo (SP)

O meia Danilo cravou na última década o próprio nome na história de dois dos maiores rivais do futebol brasileiro: Corinthians e São Paulo. Afinal, ele foi campeão da Libertadores e do Mundial como titular por ambos os clubes.

Nesta segunda-feira, em entrevista coletiva concedida no CT Joaquim Grava, o assunto voltou à tona, e o armador do Timão não hesitou ao responder para qual das duas agremiações torce. Os rivais decidem na próxima quarta o título da Recopa Sul-americana, no Pacaembu.

“Sou corintiano até a morte, até o final”, garantiu. “Tive uma passagem muito feliz por lá, mas hoje estou no Corinthians. Vou dar o meu máximo. Qualquer jogador gostaria de jogar um jogo como esse”, completou.

Mas o discurso já foi diferente. Há cerca de três meses, em entrevista à TV Bandeirantes, Danilo ouviu a mesma pergunta do apresentador de um talk show. Na ocasião, a resposta foi: “Sou são-pau… corintiano”, disse, rindo em seguida pela gafe cometida.

Independentemente da torcida ou do time pelo qual atua, Danilo conhece como poucos os dois lados do clássico desta quarta. Por isso, ele garantiu que a má fase do rival – o São Paulo perdeu as últimas cinco partidas que disputou – não será um grande trunfo a favor do Corinthians.

“Neste momento, temos de nos preocupar com a nossa equipe e jogar bem, sem dar espaço e fazendo o nosso jogo. Não adianta essa preocupação com o que está acontecendo do lado de lá. (...) É um clássico. Se você for achando que vai ganhar, pode se enrolar”, encerrou.

Depois de se lesionar justamente no primeiro jogo da Recopa, há duas semanas, o meia deve voltar a campo como titular nesta quarta, no Pacaembu. Como venceu por 2 a 1 no Morumbi, o Corinthians ganha o título se conquistar um empate. Já uma vitória do São Paulo por um gol de diferença o leva a decisão para a prorrogação e, em seguida, para os pênaltis. A única certeza é que, após o apito final do árbitro, Danilo terá escrito mais um capítulo na história dos dois clubes.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade