Futebol/Campeonato Brasileiro Série A - ( - Atualizado )

Goleado, Cuca mostra tranquilidade: “Era o que dava para fazer”

Belo Horizonte (MG)

Na última quarta-feira, o treinador Cuca se emocionava com a conquista de sua primeira Libertadores. Sem descanso, no entanto, o comandante do Atlético-MG já tinha um difícil compromisso neste domingo, contra o rival Cruzeiro, no Estádio do Mineirão. O resultado não foi aquilo que o torcedor do Galo, ainda no embalo do título continental, esperava, mas o técnico alvinegro mostrou tranquilidade e não se abalou com a goleada por 4 a 1.

Após o apito final, Cuca não mostrou nenhum tipo de irritação com os seus jogadores. Pelo contrário, o treinador tentou analisar a situação de uma maneira diferente, buscando os pontos positivos da derrota no Gigante da Pampulha. “Jogamos na casa deles, com a torcida cheia de fibra. Isso é uma situação que temos que administrar. Era o que dava para fazer, não foi por falta de vontade. Mesmo assim deu para tirar boas lições com os jogadores que a gente viu”.

Depois de dar descanso para os seus jogadores titulares, que conquistaram a Libertadores na quarta-feira, Cuca foi obrigado a escalar um time recheado de reservas. Apenas Marcos Rocha e Richarlyson, que não jogaram a decisão, foram para o jogo. O treinador ainda esperava contar com o atacante Guilherme e o volante Leandro Donizete, mas, lesionados, os jogadores também não foram liberados para o confronto.

Com os problemas nas peças de reposição, Cuca não deixou de exaltar a força do elenco atleticano, mas voltou a dizer que algumas contratações seriam necessárias para o restante da temporada, já que o Galo tem a Copa do Brasil, o Campeonato Brasileiro e o Mundial Interclubes pela frente. “Temos um time bom, um grupo forte. Hoje, além de todas as baixas, perdemos Guilherme e Leandro Donizete. Não temos queixas nenhuma do grupo, mas, se pudermos qualificar, vamos qualificar”.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade