Futebol/Brasileiro Série B - ( - Atualizado )

Leandro tem apoio do técnico para não se abater com pênalti perdido

Florianópolis (SC)

Na rodada passada, Vinicius contrariou a torcida que pedia Valdivia batendo pênalti no Pacaembu e balançou as redes na vitória por 4 a 1 sobre o ABC. Leandro, neste sábado, não sofreu a mesma pressão. Mas erou sua cobrança quando o time ainda empatava por 0 a 0 com o Figueirense.

No fim, de virada, o Verdão venceu por 3 a 2 no Orlando Scarpelli, que tinha cerca de quatro mil palmeirenses, e termina o dia na liderança da Série B do Brasileiro. Mas Gilson Kleina deixou Florianópolis preocupado em retomar a autoestima do artilheiro da equipe na competição.

“O Leandro pediu a bola com confiança. Não vamos nos abater por isso. É um grande jogador que faz a diferença, mas caiu depois do pênalti. Mas demos confiança e amanhã, quando surgir a oportunidade, vai fazer”, garantiu o treinador, ressaltando a importância do atacante emprestado pelo Grêmio que já fez três gols nesta Série B.

Cristiano Andujar/Vipcomm
Kleina admitiu que Leandro caiu de produção após perder o pênalti e quer elevar sua autoestima
Leandro é também o artilheiro do clube na temporada, com nove gols em 19 partidas, sendo que esteve impedido de atuar na Libertadores - só disputou Paulista e Série B até agora. Mas não é o primeiro pênalti perdido por ele. Na eliminação diante do Santos, nas quartas de final do Paulista, o camisa 36 teve sua cobrança espalmada pelo goleiro Rafael.

Seu técnico, contudo, não se sente culpado pelo novo erro do jogador. Kleina conta que não existe uma definição de batedor, por isso Vinicius não cobrou neste sábado e acabou vendo um colega acertar a trave esquerda do goleiro do Figueirense, sem nem ter chance de rebote.

“O Vinicius, o Leandro e o Wesley treinam, e o Valdivia também entra na escala agora. Respeitamos quem está confiante, não tem isso de número 1 e 2. Eles que treinam”, informou o treinador.

A única participação da comissão técnica em relação à cobrança é explicar aos candidatos como o goleiro adversário se comporta. “Toda semana, na véspera dos jogos, intensificamos os treinamentos e passamos a condição do goleiro, a posição dele”, relatou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade