Comercial Expediente Contato
Acompanhe a GE.net
Futebol/Copa Libertadores - ( - Atualizado )

No sufoco, Olímpia segura Santa Fé e vai à final 11 anos depois

Bogotá (Colômbia)

Depois de conquistar uma vantagem considerável no jogo de ida, quando jogou em casa, no estádio Defensores del Chaco, em Assunção (PAR), o Olímpia foi para Bogotá (COL) muito próximo de conquistar a vaga na grande decisão da Copa Libertadores. E, depois de 90 minutos de ação, a equipe paraguaia não teve problemas e se classificou para a final do torneio continental, depois de perder por apenas 1 a 0.

Já garantido na decisão da Libertadores, o Olímpia aguarda agora a definição do confronto entre Newell’s Old Boys, da Argentina, e Atlético-MG para saber quem será o seu adversário na briga pelo troféu. No primeiro jogo, os argentinos venceram, em casa, por 2 a 0. E nesta quarta-feira, às 21h50 (de Brasília), o Galo recebe o Newell’s, no estádio Independência, buscando reverter o placar para seguir sonhando com a conquista inédita.

O Olímpia é dono de três canecos da Liberta (1979, 1990 e 2002) e, desde a mais recente conquista, quando os paraguaios superaram o São Caetano na decisão, que o time não chega à final do torneio continental.

AFP
Após mais de 90 minutos de muito sufoco, o Olímpia só sofreu um gol do Santa Fé e, assim, vai disputar a final

O jogo – Mesmo precisando ir para o ataque para buscar o resultado, foi o Independiente Santa Fé que começou tomando susto. Aos quatro minutos, Prono finalizou forte de longe e obrigou Vargas a realizar boa intervenção.

A primeira chance perigosa dos donos da casa só foi vista somente aos 15, quando Valdés dominou dentro da área e mandou para o gol, mas o zagueiro do Olímpia, Miranda, se jogou na bola e evitou o gol.

Seis minutos mais tarde, o Santa Fé reclamou muito com o árbitro, pedindo pênalti, depois que Medina tentou jogada pelo meio da área e caiu, mas o juiz nada marcou.

Aos poucos, o Santa Fé foi se impondo em campo e passou a comandar as ações. Aos 27 minutos, mais uma boa chance para o time da casa. Borja recebeu cruzamento e cabeceou para o chão. A bola passou muito perto da trave do gol defendido por Martín Silva.

E o Independiente Santa Fé não se cansava de pressionar. Aos 31, na melhor oportunidade de gol da partida até então, Borja cruzou e Medina arriscou uma bela bicicleta. A finalização quase raspou na trave da meta do Olímpia.

A equipe colombiana só pensava em marcar ainda no primeiro tempo e mais uma grande chance foi desperdiçada aos 37 minutos. Acosta foi até a linha de fundo e cruzou rasteiro, da esquerda. Medina, dentro da pequena área, desviou, mas a finalização se perdeu pela linha de fundo. Inacreditável a oportunidade perdida pelo Santa Fé.

Logo depois do apito final da etapa inicial, os jogadores do Santa Fé cercaram o árbitro e reclamaram muito de algumas marcações do primeiro tempo.

O segundo tempo começou movimentado e, aos oito minutos, o Olímpia teve uma boa chance de abrir o placar. Em cobrança de falta da ponta esquerda, Miranda mandou direto para o gol. O goleiro Vargas se esticou todo e evitou o gol.

Quatro minutos depois de tomar um susto, foi o Independiente Santa Fé que voltou a levar perigo. Acosta mandou uma bomba de longe e a bola passou perto da trave de Martín Silva.

O jogo seguia brigado, mas as duas equipes caíram um pouco de produção no meio da etapa final. Foi então que, aos 24 minutos, Omar Perez bateu forte de fora da área, mas a bola passou à direita da meta do Olímpia.

O placar saiu do zero aos 30 minutos. Principal nome do Santa Fé na partida, o atacante Medina aproveitou rebote do goleiro Martín Silva, após cobrança forte de falta de Omar Pérez, e mandou para o gol. Os jogadores do Olímpia reclamaram que a bola não cruzou a linha, mas o árbitro validou o gol.

Depois de anotar o gol, o Independiente Santa Fé foi para o tudo ou nada, em busca do segundo gol que levaria a decisão para os pênaltis. Aos 35, Medina recebeu cruzamento dentro da área e finalizou em cima do goleiro Martín Silva, mas o árbitro assinalou impedimento.

Quatro minutos depois, o torcedor do Olímpia tomou mais um grande susto. Borja recebeu cruzamento dentro da área, mas mandou a finalização na trave. A bola ainda bateu no goleiro do Olímpia e quase entrou.

O árbitro assinalou quatro minutos de acréscimo. Aos 45, o Santa Fé teve mais uma grande chance, em finalização de Meza da meia-lua, mas Martín Silva espalmou. Os colombianos pressionaram bastante nos instantes finais, mas o Olímpia conseguiu segurar a equipe da casa e comemorou muito.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade