Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Para Sheik, Pato não deve dar voadoras pela Fiel: "Não é a dele"

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Nem Tite esconde que falta ser mais Corinthians a Alexandre Pato. A qualidade técnica do jogador tem ficado distante de compensar, aos olhos da Fiel, sua falta de “competitividade”, palavra usada frequentemente pelo treinador --- os torcedores se irritam a cada bola que passa perto do camisa 7 sem causar qualquer reação.

Emerson também não lembra nem de longe um atacante comprometido com a marcação, mas briga mais em todos os aspectos do jogo. Com o moral de quem já tem seu lugar de destaque no coração dos alvinegros, o Sheik foi questionado sobre o que falta para o companheiro engrenar no Timão e demorou a chegar a uma conclusão.

“Honestamente, se fosse ele, não mudaria nada. Ele é o Pato porque é do jeito que é. Talvez ele possa entender mais o esquema que o treinador monta e a sua função. Não que ele não cumpra, mas pode estar mais um pouco atento em detalhes, pode ter um pouco mais de competitividade, como o Tite coloca”, disse Emerson.

Na sequência, o camisa 11 reformulou parcialmente a sua resposta. E acabou decidindo que o atleta paranaense deve adaptar de certa maneira seu jogo ao time do povo sem abrir mão das características que o tornaram um atleta badalado, com “cinco anos maravilhosos no Milan”.

“É um ajuste que ele precisa para cair na graça da galera, porque ele joga muito, é gente boa, agrega muito ao nosso grupo. Pô, o cara é um craque! Precisa dar duas ou três voadoras por jogo para ter a cara do Corinthians? Não é a do cara. Talvez possa competir um pouco mais. Isso não mudaria a nossa visão, mas a das pessoas que veem pela TV”, afirmou o Sheik.

Divulgação/Agência Corinthians
Pato está afiado nas comemorações, mas ainda não entendeu bem o Timão (foto: Daniel Augusto Jr.)

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade