Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Ponte chega ao limite por trio do Palmeiras e espera até 5ª de manhã

William Correia São Paulo (SP)

Após dificultar as liberações do técnico Gilson Kleina e do zagueiro Tiago Alves, a Ponte Preta se torna agora uma solução para desinchar o elenco do Palmeiras. Basta o Verdão querer. O clube campineiro afirma que não mudará as ofertas que fez para ter o zagueiro Wellington, o meia Tiago Real e o atacante Maikon Leite por empréstimo e vai esperar por uma resposta até a manhã desta quinta-feira.

“Já deixamos duas propostas definitivas e não vamos alterar mais nada. Fomos até o nosso limite”, avisou o gerente de futebol da Macaca, Ocimar Bolicenho, à Gazeta Esportiva.net. “Eles pediram 24 horas para responder, mas, até agora, nada. Vou cobrar uma resposta até amanhã (quinta-feira) cedo”, comentou.

O Palmeiras concorda em ceder o trio de graça até dezembro, mas gostaria de economizar mais. A ideia do Verdão é não arcar com nenhuma parte do salário do trio, algo que a equipe do Moisés Lucarelli não concorda e nem aceita mais discutir. “A Ponte Preta fez as propostas no limite que pode pagar mensalmente”, disse Bolicenho.

O dirigente não revelou as diferenças no desejo das diretorias, mas a Macaca não quer pagar nem metade dos salários de Maikon Leite, e conta com o atleta como trunfo. O atacante, que viajou ao Catar e não acertou com o Umm-Salal porque não pagariam o que tinham combinado, já entrou em acordo com a Ponte Preta, motivado principalmente por trabalhar de novo com Paulo César Carpegiani, técnico de uma de suas melhores fases na carreira, no Atlético-PR, em 2010.

Fora dos planos de Gilson Kleina, Maikon Leite quer atuar na Ponte Preta e só tem trabalhado na Academia de Futebol à espera de uma definição. O jogador espera apenas que as diretorias se acertem para que ele possa ter mais chances de entrar em campo, e por um clube que está na Série A do Brasileiro.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Tiago Real aprova Ponte, mas ainda não foi avisado de que está ao lado de Ayrton na lista dos dispensáveis
Em relação a Tiago Real, o problema é uma inabilidade da diretoria. A GE.net apurou que o meia só soube do interesse dos campineiros pela imprensa. O jogador, que começou a Série B como titular, dificilmente ficará mesmo no banco de reservas com Valdivia recuperado e as contratações de Mendieta e Felipe Menezes. Por isso, ele até topa jogar na Ponte, mas ainda espera ser notificado pelo Palmeiras.

“Uma das nossas propostas é só pelo empréstimo do Maikon Leite e a outra é envolvendo outros dois jogadores que o próprio Palmeiras colocou no negócio. O problema é que, pelo que percebi, um desses jogadores sequer sabia do assunto. O Palmeiras o envolveu no negócio sem avisá-lo”, contou Bolicenho, que esteve na Academia de Futebol nessa terça-feira.

Já Wellington está ciente de que não será usado desde o fim do Brasileiro, quando foi liberado por Kleina para atuar no Atlético Sorocaba no Paulista. Como perdeu Cleber para o Corinthians, a Ponte aceita o zagueiro de 21anos oferecido pelo Verdão. “O mais importante é que todos os empréstimos têm que ser sem custos. São jogadores que não estão sendo aproveitados”, completou Bolicenho.

A expectativa é de que a conclusão das conversas seja positiva, mudando a relação entre Palmeiras e Ponte Preta. O clube campineiro deixou claro publicamente que não gostou da maneira com a qual o Verdão tirou Gilson Kleina, no ano passado, e Tiago Alves, em maio, da Macaca.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade