Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Apresentado com um dia de atraso, Jorginho quer fazer história na Ponte

Campinas (SP)

Anunciado no domingo, Jorginho era esperado na sala de coletivas do Moisés Lucarelli na segunda-feira. O treinador, no entanto, optou por aproveitar o único treino possível para ajeitar o time para o duelo contra o Criciúma. Nesta terça-feira, dia do jogo, o tetracampeão finalmente falou pela primeira vez como comandante alvinegro. Em discurso otimista, ele prometeu empenho total e disse querer fazer história à frente da Macaca.

“Não quero pensar na Ponte como uma ponte para outro time e sim como realidade na minha vida. Quem sabe eu não possa fazer história aqui? Gosto de me doar 100% onde estou, vou dar meu melhor. Tenho contrato até o fim do ano, mas desde já desejo renovar para disputar o Paulista”, revela.

Jorginho desembarcou em Campinas às 12h30 desta segunda-feira. Sem tempo para formalidades, foi rapidamente apresentado ao elenco pontepretano e comandou o único treino antes do duelo da noite desta terça contra o Criciúma, pela volta da segunda fase da Copa Sul-americana. Segundo ele, a decisão foi tomada em conjunto com a diretoria da Macaca.

Divulgação
Jorginho mostrou discurso otimista em sua apresentação oficial na Ponte Preta
“Não tem porque temer uma situação assim, até porque não vamos resumir nosso trabalho a este jogo e sim ao todo. No entanto temos que olhar esse confronto de logo mais com carinho, é um jogo difícil. Vamos lutar por um resultado positivo hoje e se ele acontecer é mérito dos atletas, mas se for negativo podem colocar na minha conta, porque eu assumi esta responsabilidade ao me tornar técnico da Ponte”, afirma Jorginho, revelando que passou quase toda a noite revendo os últimos jogos da Macaca em vídeo.

Após o duelo contra o time catarinense, a Ponte Preta volta as atenções para a disputa do Campeonato Brasileiro. Com apenas 15 pontos somados em 15 partidas, a equipe de Campinas é a primeira dentro da zona de rebaixamento. Ressaltando a importância histórica da Sul-americana, o treinador confessa que o prioridade natural é manter a Macaca na elite nacional.

“Temos que trabalhar para sair o mais rápido possível desta situação incômoda. Sabemos que o time tem potencial para isso e depois buscar voos mais altos. Não podemos nos dar ao luxo de perder pontos que em tese podemos ganhar, até porque tem equipe que começou mal, mas tem grandes plantéis e tendem a subir, como o São Paulo. Então se der pra vencer e jogar bem será fantástico, mas temos é que ter equilíbrio, jogar o antigo arroz com feijão para sair da zona. Depois pensamos em algo melhor”, conclui.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade