Futebol/Copa do Brasil - ( - Atualizado )

Artilheiro no rachão, Fábio Santos livra a barra de Guerrero

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Paolo Guerrero cumpriu quase todas as suas funções na partida do Corinthians contra o Luverdense, retendo bem a bola, tabelando com quem chegasse de trás, brigando como sempre e amarelando a zaga adversária. Só não balançou a rede, perdendo duas oportunidades que o incomodaram bastante.

Com o centroavante descalibrado, coube a Fábio Santos fazer o gol que colocou o time alvinegro nas quartas de final da Copa do Brasil. “Sou um dos goleadores do rachão, sou o vice-artilheiro. Uma hora a bola ia sobrar. Vim de trás e consegui concluir”, disse o lateral esquerdo.

Nos jogos do Corinthians, o camisa 6 não exibe o mesmo faro de gol demonstrado nos treinos recreativos. O tento contra o Luverdense foi apenas o seu sétimo em 146 partidas em preto e branco. Números bem menos expressivos do que os de Guerrero, que, desta vez, não finalizou bem.

Autor de 24 gols pela equipe do Parque São Jorge, 16 deles neste ano, o peruano teve a chance de abrir o placar, mas, na cara do goleiro, tentou o drible e permitiu a recuperação do zagueiro Carlão. Ainda no primeiro tempo, recebeu ótimo passe de Douglas e bateu por cima.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Guerrero brigou muito, como de costume, mas não conseguiu balançar a rede do goleiro Gabriel
“Não deu para fazer o gol, mas o mais importante é que o Corinthians ganhou”, disse o atacante, que ficou claramente ansioso após a primeira chance perdida. Ele não deixou de contribuir com as demais facetas de seu jogo, porém as finalizações não tiveram boa qualidade.

“Por mais experiente que seja – e ele fez o gol do título mundial –, o atleta sente. A primeira coisa que ele fez depois de perder o gol foi botar as mãos na cabeça. Eu disse: ‘Calma’. Depois, ele recebeu o passe e quis apressar a conclusão, mandou por cima. O atleta sente, somos todos humanos”, comentou Tite.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade