Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Campanha ruim de Autuori e desejo de ficar no Brasil prendem Lúcio

Tossiro Neto São Paulo (SP)

O zagueiro Lúcio tem levado sua rotina de trabalho como se não tivesse sido afastado no São Paulo. Embora ouça dos dirigentes que não faz mais parte dos planos do clube, ele segue treinando em horários alternativos no CT da Barra Funda, crente de que Paulo Autuori, técnico que o afastou, possa sair antes dele.

Na manhã desta terça-feira, o gerente executivo são-paulino, Gustavo Oliveira, reafirmou posicionamento da diretoria de que o jogador não será aproveitado, restando definir como seria sua saída. Lúcio, porém, não quer se distanciar novamente dos familiares jogando em centros menores do exterior, tampouco rescindir o contrato (válido até o fim de dezembro de 2015) sem compensação financeira. Por isso é que aguarda a sequência de Autuori.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Zagueiro não pretende deixar o futebol brasileiro depois de mais de uma década atuando na Europa
Com oito derrotas, um empate e apenas uma vitória (sobre o Benfica, na amistosa Copa Eusébio, em Portugal), o treinador começa a ser mais cobrado, tendo em conta o penúltimo lugar do Campeonato Brasileiro. No próprio São Paulo, Lúcio tem em Fabrício o exemplo de que a espera pode compensar: o volante foi afastado por Ney Franco e reintegrado por Autuori. Mas, por ora, a demissão do comandante soa improvável - nesta quarta-feira, ele completa um mês da estreia.

Outra alternativa considerada por Lúcio, que já fez mais de sete jogos na competição nacional e não pode defender outro time na primeira divisão deste ano, é continuar recebendo salário - um dos maiores do elenco -, à espera do término da temporada. Afinal, passada mais de uma década na Europa, não é de seu interesse deixar de novo o Brasil, muito menos depois de apenas oito meses do retorno.

As conversas com o São Paulo foram atrapalhadas pela viagem de quase duas semanas do time por Europa e Ásia. Nesse período, um representante de Lúcio viajou para a capital paulista, mas voltou a Porto Alegre sem definição alguma, já que os principais dirigentes não estavam no País. Um novo contato deve ser agendado para esta semana, possivelmente até nesta quarta-feira.

Nele, o estafe do zagueiro vai dizer que, mesmo aos 35 anos, seu cliente tem um dos melhores condicionamentos físicos do elenco. Usará ainda os resultados recentes do São Paulo para argumentar que os problemas do time não eram causados por Lúcio, ao contrário do que o treinador deu a entender no empate por 0 a 0 com o Corinthians, o primeiro jogo sem ele, quando elogiou a melhora na estabilidade do sistema defensivo.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade