Futebol - ( - Atualizado )

Em festa com torcedores, Andrés pede humildade aos corintianos

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Em uma festa que atravessou a madrugada de domingo e só terminou pela manhã, a Gaviões da Fiel comemorou seus 44 anos. Com a quadra da organizada abarrotada, a celebração teve shows musicais, sinalizadores, aplausos aos campeões paulistas de futsal e aos torcedores que estavam presos em Oruro, gritos corintianos do santista Eduardo Suplicy, ex-jogadores e um ex-presidente do Timão.

Como acontece frequentemente quando participa dos eventos da uniformizada, Andrés Sanchez empunhou o microfone e fez um rápido discurso. Dirigindo-se ao mar negro à sua frente, ele procurou conter o ar de superioridade que ameaça se estabelecer após uma sequência muito vitoriosa do Corinthians.

“Temos de manter a humildade. Ganhamos tudo, mas temos que ser o que nós somos. Primeiro, Corinthians. Talvez, brasileiros antes de tudo. Mas, acima de tudo, vai, Corinthians!”, bradou Andrés, dando à última frase o tom que só os corintianos são capazes de produzir.

Divulgação
Fiéis lotaram a quadra da Gaviões e, mesmo ao lado daqueles que estavam presos na Bolívia, reeditaram os gritos de "liberdade já"
Presidente do clube do Parque São Jorge entre 2007 e 2011, Andrés atualmente é o responsável do clube pela construção do estádio em Itaquera. Quando foi apresentado pelo mestre de cerimônias da Gaviões, ele ouviu um pedido: “Não vai tirar aquela arquibancada nem a pau”.

Era uma referência aos 20 mil lugares adicionais que a arena alvinegra receberá para a Copa do Mundo. Terminado o Mundial, a capacidade diminuirá de 68 mil para 48 mil espectadores. As arquibancadas são provisórias, mas a estrutura do estádio prevê a ampliação definitiva --- algo que, segundo Andrés, pode acontecer daqui a “cinco, seis, sete, oito anos”.

Na sequência, foi a vez de Eduardo Suplicy tomar a palavra. O senador petista, que é torcedor do Santos, teve uma recepção inicialmente hostil, mas acabou ganhando boa parte do público ao se dizer favorável a “ingressos baratos, de dez a vinte reais”. Depois de ouvir um tímido “El, el, el, Suplicy é da Fiel”, ele se sensibilizou a ponto de dar adeus com um “Vai, Corinthians!”, sem a mesma pronúncia de Andrés.

Discursaram ainda Paulinho Japonês, um dos heróis na conquista da Liga Paulista de Futsal, e o ex-jogador Gilmar Fubá, cujas únicas palavras inteligíveis foram “bâmbi” e “porco”. Antes que tivesse sequência a programação musical da noite, houve um “Parabéns a você” com show pirotécnico e muitos sinalizadores.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade