Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Ex-presidente Tirone passa escondido por festa, mas aflige segurança

William Correia São Paulo (SP)

A festa oficial do 99ª aniversário do Palmeiras, ocorrida na noite dessa segunda-feira em um buffet na Vila Olímpia, foi marcada por sorrisos e trocas de abraços entre os presentes. Mas teve um momento de aflição especialmente para alguns dos responsáveis pela organização: a presença do ex-presidente Arnaldo Tirone.

Tirone foi mandatário no segundo rebaixamento em Brasileiros da história do clube e saiu do cargo em janeiro deste ano sem ter suas contas aprovadas, deixando uma dívida estimada em R$ 300 milhões para o sucessor Paulo Nobre, sem ter pagado também a maior parte de dois meses de salário de elenco e comissão técnica. Embora membro do Conselho Deliberativo e do Conselho de Orientação e Fiscalização do clube por ter sido presidente, o ex-dirigente é considerado persona non grata no Verdão.

Mesmo assim, Tirone foi ao buffet, mas prometia cautela. Avisou a um dos seguranças do clube que apareceria e garantiu que seria discreto, tanto que chegou em meio ao jantar. Mas trocou seguidos cumprimentos, chamando atenção e preocupando quem teria que conter alguma agressão. “O cara promete vir sem chamar atenção, mas se espalha feito gripe. Fica difícil...”, disse um dos seguranças à Gazeta Esportiva.

Poucos, na verdade, se aproximaram de Tirone, mas o ex-presidente não parecia querer se esconder. Vice-presidente no mandato de Tirone, Roberto Frizzo reativou recentemente sua vida política no Palmeiras e fez questão de ir à porta do buffet receber o ex-dirigente, levando-o sob seus ombros para o jantar, não demonstrando nenhuma intenção de escondê-lo.

Mas Tirone só passou pelos fundos do local do jantar e ficou alguns minutos cumprimentando presentes até trocar olhares com seguranças e apressar seus passos em direção à mesa, escondida de todas, na qual se alimentaria. Foi ainda mais rápido para deixar o local. Não chegou perto dos principais nomes da política palmeirense nem deu oportunidade para ser entrevistado.

Foi quase imperceptível a passagem de Tirone no primeiro aniversário do clube após deixar o poder, diferentemente de sua desastrosa administração, que teve, em seus últimos dias, até carro recebido de presente da Federação Paulista de Futebol batido por um de seus diretores. Mas, para alívio dos seguranças, não houve tempo para protestos contra um dirigente que, no dia seguinte ao rebaixamento, foi fotografado caminhando de sunga em uma praia carioca no ano passado.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade