Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Guto admite aproveitamento baixo na Lusa e ignora Sul-americana

Bruno Grossi, especial para a GE.net São Paulo (SP)

Quando a Portuguesa foi eliminada na Copa do Brasil para o Naviraiense-MS, houve quem dissesse que o clube não se esforçou para seguir no torneio visando à disputa da Copa Sul-americana. Assim que a competição internacional começou, o técnico Guto Ferreira optou por escalar uma equipe reserva na estreia com derrota por 2 a 1 para o Bahia e garante que repetirá a estratégia no jogo de volta.

A decisão foi tomada para melhorar o condicionamento físico dos titulares e encontrar a melhor formação para reagir no Campeonato Brasileiro durante as duas semanas com duelos contra o Esquadrão de Aço. O time ocupa apenas a 18ª posição e deixará a Sul-americana totalmente de lado para escapar da zona de rebaixamento.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Guto Ferreira sabe que precisa melhorar no comando da Lusa e irá priorizar o Brasileirão
“Queríamos estas duas semanas cheias para trabalhar e qualificar o plantel da Lusa, fazer ajustes e também dar oportunidade de conhecer todo mundo. É para saber o que temos em mão e o que falta buscarmos. Com o plantel reduzido e na condição que estamos no Brasileiro, não podemos nos dar ao luxo de usar os titulares na Sul-americana. Temos que concentrar todo o foco e energia para o Brasileirão”, garantiu Guto.

O comandante rubro-verde, inclusive, confia no elenco para melhorar o desempenho na temporada. Mas apesar de ver o grupo em evolução, Guto Ferreira admite que precisa aprimorar o próprio trabalho e cobra atuações perfeitas no Canindé para não perder pontos como mandante e também ser ousado fora de casa.

“Faltam detalhes técnicos, táticos e físicos, mas isso com o trabalho tende a evoluir. Temos um grupo que pode buscar resultados jogo a jogo. Temos que jogar para vencer mesmo fora, e se não der para vencer temos que trazer pelo menos um ponto. Dentro de casa temos obrigatoriamente que vencer. Se fôssemos traçar uma meta pensando nos anos anteriores, precisaríamos de 45 pontos, ou seja, teríamos que ganhar dez jogos e empatar dois. Meu aproveitamento hoje está baixo, temos que melhorar muito”, afirmou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade