Futebol/Brasileiro Série B - ( )

Kardec fez três gols nos dois últimos jogos, mas não se acha titular

William Correia São Paulo (SP)

Logo após sofrer suas primeiras cobranças pela chance clara perdida no empate com o Guaratinguetá, Alan Kardec respondeu com sobras. Na soma de suas atuações contra Icasa e Bragantino, ficou pouco mais de 90 minutos em campo e marcou três gols. O desempenho, porém, não muda seu pensamento de que não pode ser considerado titular.

“Ninguém tem vaga garantida. Tive uma oportunidade que pude aproveitar ajudando com gol e conseguimos o principal objetivo, que é a vitória, mas temos grandes jogadores e todos têm condição de jogar”, enalteceu o jogador, emprestado por um ano pelo Benfica exatamente porque Kleber, que já saiu do Verdão, e Caio não convenceram - e Kardec já fez mais gols do que ambos no time, pois cada um deles só balançou as redes duas vezes.

O discurso do camisa 14, na verdade, é até desmentido por Gilson Kleina, que já tinha confessado ser questão de tempo a sua titularidade – e veio logo em seu quarto jogo no clube. o preciso chute de primeira no ângulo do goleiro adversário, abrindo a vitória por 2 a 1 sobre o Bragantino nessa sexta-feira, ratificou sua qualidade.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Alan Kardec coloca a bola no ângulo em seu terceiro gol pelo Verdão: Kleber e Caio só fizeram dois cada
“Fui feliz na execução, bem feita e com sucesso, o que é mais importante. Abri o caminho e depois teve um belo gol do Valdivia que foi o que deu tranquilidade para continuarmos nossa caminhada”, comentou Alan Kardec, sem esconder, no entanto, sua melhora ao longo das partidas.

“A evolução é natural, estou crescendo a cada partida. Contra o Bragantino, consegui correr bem por 70, 75 minutos. Sei do meu potencial e o que posso melhorar. O que me deixa feliz é que estou conseguindo ajudar os companheiros. Fazer o gol é tudo que um caminha 9 sonha, mas a vitória da equipe está acima de tudo”, discursou.

Com discurso humilde e gols a favor do time, o atacante já se sente em casa com um mês só no clube. “Fui muito bem recebido pelo grupo, que é jovem e não tem vaidade, pelos dirigentes e pelos torcedores. O Palmeiras possui um elenco de muita qualidade, o que ajuda para encaixar alguém que chega de fora. E também tem o fato de que estou voltando para o futebol brasileiro”, celebrou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade