Futebol/Brasileiro Série B - ( )

Para Brunoro, Verdão iniciou Série B pior do que Corinthians em 2008

São Paulo (SP)

A facilidade que o Palmeiras está tendo na Série B do Brasileiro já gera comparações com a campanha corintiana para voltar à primeira divisão nacional em 2008. Mas o diretor executivo José Carlos Brunoro olha além dos números em campo e não concorda com tanta similaridade. Para o dirigente, o Verdão começou 2013 pior do que o seu rival há cinco anos.

“A situação em que pegamos o Palmeiras era bem pior. Não tínhamos elenco e ninguém queria jogar no Palmeiras. Não só pela caída, mas pela situação”, citou Brunoro durante sua participação no programa Mesa Redonda, da TV Gazeta, nesse domingo. O dirigente citou a má fama do Verdão, com salários atrasados e agressões de torcedores a jogadores.

As questões financeiras e administrativas são diferentes mesmo na comparação entre os rivais. Enquanto Paulo Nobre assumiu a presidência do Palmeiras neste ano com 18 jogadores, Andrés Sanchez era o mandatário corintiano iniciando 2008 com alguns reforços já contratados e o acerto estabelecido com Mano Menezes. Além disso, o clube alvinegro tinha um patrocinador na camisa, e o Verdão não conta ainda com nenhuma receita por exibir marcas em seu uniforme – a exceção é a Tim, que aparece nos números.

Porém, mesmo com todas as dificuldades extras, o Palmeiras já conta com um primeiro turno mais positivo do que seu rival. Em 2008, o Corinthians conseguiu 39 pontos nas 19 primeiras rodadas da Série B. Os comandados de Gilson Kleina, por sua vez, alcançaram 40 pontos mesmo tendo disputado só 16 partidas até agora – bastam quatro pontos nos três próximos jogos para estabelecer o melhor turno da história do torneio.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Diretor lembra que Verdão iniciou 2013 com 18 no elenco e aversão no mercado, mas já bateu campanha do rival
E a inspiração no rival, segundo Brunoro, foi mínima. “Também olhamos como o Grêmio e o Vasco subiram. Não se pode deixar de olhar o que passou com os outros. Temos que olhar bastante e ver o que fazer em casa. Aprendemos muito com o que aconteceu com os outros. Sempre olhei o que fizeram de bom para seguir e pensar em chegar lá. Nada é feito no Palmeiras por acaso”, indicou.

“Passamos por um primeiro semestre muito difícil, reestruturando em todos os sentidos e visando o segundo semestre, que era a Série B. Ano que vem tem a reinauguração da Arena, o centenário... O Palmeiras tem que estar na Série A. Agora estamos usufruindo deste planejamento e, se conseguirmos trabalhar como imaginamos, poderemos já pensar no ano que vem”, comentou Brunoro.

O diretor executivo sempre cita o obstáculo financeiro para enaltecer sua administração. “O Palmeiras trabalha com 25% de sua receita total no ano, o resto já foi utilizado. Temos que fazer muita coisa criativa no Palmeiras, como um marketing muito atuante que já conseguiu quase 30 mil sócios-torcedores, aumentou as receitas de licenciamento e está buscando patrocínios, além de termos reestruturado o futebol amador.”

Nas comparações, se o Corinthians voltou da Série B já contratando Ronaldo Fenômeno em uma estratégia de marketing, o mesmo pode ocorrer com o Verdão em 2014. Só não será mexendo no próprio cofre. “O Paulo não quer, de maneira nenhuma, deixar a gestão de futebol e do clube com problemas financeiros. Quer entregar tudo equilibrado. Ou seja: se amanhã vier uma grande contratação, é porque está se pagando, não será com o orçamento do Palmeiras”, falou Brunoro, admitindo, contudo, a necessidade de qualificar o time na próxima temporada pensando na qualidade exigida na Série A.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade