Futebol/Mercado - ( )

Sem acerto "no papel", Wesley segue programação do Palmeiras

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Endividado, o Palmeiras está bem disposto a negociar Wesley com o Atlético-MG. Mas, enquanto os clubes não se acertam quanto à negociação, que pode variar no modelo e consequentemente no tempo de contrato, o volante seguirá com o restante do elenco a programação definida pela comissão técnica.

"Fico feliz pelo interesse, mas não há nada de concreto no papel, então continuo sendo jogador do Palmeiras. Vou dormir em casa, com minha família, e amanhã (domingo) vou treinar normalmente", disse o jogador, autor do gol da vitória por 2 a 1 sobre o Paraná, no sábado.

O treino às 10 horas deste domingo, na Academia de Futebol, será o primeiro em preparação para enfrentar o Joinville, na terça-feira, fora de casa. Caso não haja novidade até lá, o camisa 11 também será relacionado pelo técnico Gilson Kleina para a viagem a Santa Catarina, até porque é, no momento, um dos principais destaques da equipe.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Volante negou que a partida deste sábado, na qual fez gol, tenha sido a última com a camisa alviverde
"É o nosso titular, está passando pelo melhor momento dele dentro do Palmeiras. Reagiu, joga com leveza, alegria. Não tem como prendê-lo, ele faz muito essa característica. Está bem adaptado, sabe da confiança que tem", elogiou o treinador, que, por outro lado, não se preocupa se tiver que perdê-lo.

"O presidente (Paulo Nobre) está administrando esse assunto da melhor maneira. Ninguém vai acelerar o processo de saída ou de permanência. Hoje (sábado) ele nos deu a vitória, ficamos alegre por ele. Se ficar, ele vai manter o foco. Se sair, vamos trabalhar com as reposições que temos no elenco", continuou.

As possibilidades de reposição são cinco, segundo Kleina: os meio-campistas Eguren, Marcelo Oliveira e Mendieta e os meia-atacantes Vinícius e Ananias. Eles, mas principalmente as dívidas - cerca de R$ 5 milhões com o Werder Bremen e mais de R$ 500 mil com o próprio jogador -, é que dão à diretoria a tranquilidade para ceder sem arrependimento ao interesse do Atlético.

"Estamos em uma situação em que temos que cortar despesas. Se não fizermos isso, não vamos sair da situação em que nos encontramos. Está sendo feito um equacionamento", argumentou Paulo Nobre, levando em conta que o volante, contratado na gestão anterior, recebe um dos maiores salários do elenco. Sua saída, portanto, aliviaria consideravelmente a folha salarial.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade