Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Aidar crê em vitória nas eleições, mas evita briga com amigo Abdalla

São Paulo (SP)

Candidato à presidência do São Paulo pela situação, o conselheiro Carlos Miguel Aidar vem se tornando um dos nomes mais fortes das eleições de 2014. Amigo de Kalil Rocha Abdalla, da oposição, o ex-mandatário tricolor não quer brigar para voltar ao poder do clube do Morumbi.

Em entrevista ao Disparada no Esporte, da Rádio Gazeta AM, Aidar criticou o adversário do pleito, mas fez questão de exaltar a amizade. “É um grande amigo. Posso disputar, mas não vou brigar com ele, porque somos amigos. Mas ele vem criticando o São Paulo quando deveria ajudar”, explicou.

Projetando vitória e a continuidade da situação no Tricolor, Aidar não cravou a saída de Juvenal Juvêncio, atual comandante, do clube no ano que vem. “Não sei. Ainda tenho alguns projetos para ele”, esquivou-se, assim como fez quando perguntado sobre projetos com o goleiro Rogério Ceni.

A expectativa é a de que o ídolo são-paulino se aposente no final desta temporada. “Primeiro, estou conversando com todos para me interar da situação do clube. Quero fortalecer a minha candidatura. Depois vou começar a pensar nessas coisas”, finalizou o conselheiro.

Carlos Miguel Aidar já foi presidente do São Paulo na década de 1980, por dois mandatos, em que o time conquistou um título do Campeonato Brasileiro e dois do Campeonato Paulista. Ainda muito influente nos bastidores da agremiação esportiva, Aidar resolveu lançar sua pré-candidatura.

A concorrência de Aidar e o enfraquecimento de Juvenal Juvêncio fizeram com que Roberto Natel e Julio Casares desistissem de suas candidaturas. Carlos Augusto de Barros e Silva, o “Leco”, seria o único a concorrer com Aidar pela situação, mas também deverá mudar de ideia pelo consenso.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade