Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Argentinos citam Che Guevara e destacam “revolucionário” Maradona

Buenos Aires (Argentina)

Um dia após o encontro realizado no Parque São Jorge, em São Paulo, que reuniu grandes figuras do futebol mundial, como Maradona, Romário, Chilavert e Francescoli, para debater possíveis mudanças no modo como se gere e organiza o futebol sul-americano, os principais jornais argentinos destacaram a presença do maior jogador da história do país no evento que simboliza o nascimento de uma oposição à Conmebol.

Principal publicação esportiva da Argentina, o Olé foi o que mais repercutiu a presença de El Pibe no encontro. Com o título “Revolução Sul-americana”, o diário publicou uma matéria na qual destaca o lado revolucionário de Maradona e até cita o ídolo do ex-camisa 10, Che Guverara, um dos líderes da Revolução Cubana, como uma inspiração para os pensamentos do ex-jogador do Boca Juniors.

“Está surgindo um movimento que procura fazer barulho, uma espécie de revolução sul-americana, com um amante de Che (Guevara) na liderança. Sim, um tal de Diego Armando Maradona”, destaca a publicação, que também cita as presenças de Enzo Francescoli, José Luis Chilavert, Oscar Ruggieri, Careca, Romario, Iván Zamorano e Carlos Valderrama no evento.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Diego Armando Maradona marcou presença e foi muito solicitado por jornalistas na reuinão da última quarta

Além disso, o jornal explica as ideologias do movimento, que “critica os valores pagos pela Conmebol nos direitos de TV, salários e patrocinadores” e “desaprova o calendário, férias e estádios da América do Sul, que, assim como a Europa, deve ter um ex-jogador como presidente de sua entidade máxima”. Por fim, o diário exalta uma frase dita por Maradona durante o encontro: “Eles (a Fifa) fumam os melhores cigarros, tomam as melhores champanhes, comem o melhor caviar, enquanto nós jogamos ao meio dia”.

Outra publicação de grande importância na Argentina, o La Razon também repercutiu a presença de El Diez no evento. Além do canhoto, cita Chilavert e Romário, e diz que “estão todo unidos contra a Conmebol”. Por fim, destaca as críticas do craque da Copa do Mundo de 1986 a Julio Grondona, presidente da Associação de Futebol da Argentina (AFA).

A Conmbebol (Confederação Sul-americana de Futebol), principal criticada na reunião da última quarta-feira, ainda não se pronunciou oficialmente sobre as declarações feitas por ex-craques e  dirigentes de alguns clubes filiados à entidade.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade