Futebol/Brasileiro Série A - ( )

Barcos prioriza força coletiva e deixa seca de gols em segundo plano

Do correspondente Vicente Fonseca Porto Alegre (RS)

O centroavante Hernán Barcos não marca há quatro jogos com a camisa do Grêmio. Ainda assim, não vê isso como um problema. O argentino rebateu as críticas de que tem marcado poucos gols pelo Tricolor e justifica sua entrega pelo time como um dos motivos para o baixo número de bolas na rede.

“Às vezes o repórter não olha o jogo, ou não entende o que se passa lá dentro do campo. Um atacante nem sempre tem que fazer gols, o importante é o Grêmio ganhar. Eu posso ficar até 100 jogos sem marcar, mas se o time ganhar eu fico satisfeito. Me esforço pelos companheiros, não jogo apenas para mim, jogo para o Grêmio. Seria muito fácil ficar só esperando a bola lá na frente”, desabafou.

Barcos revelou um pedido do técnico Renato Gaúcho: que os atacantes combatessem a saída de bola. Só assim o sistema 4-3-3, com a entrada de Vargas, pôde funcionar no Pacaembu. O treinador afirmou em sua coletiva estar satisfeito com o argentino: “continuo satisfeito sim, com ele e com o Kleber. O Barcos é inteligente, faz gols, me agrada, mas o mais importante é o grupo”, afirmou Renato.

Contra o Corinthians, Barcos disputou seu 40º jogo na temporada pelo Grêmio. Foram 12 gols até agora, o que o torna o artilheiro da equipe em 2013, dois tentos à frente de Zé Roberto. Domingo, o Tricolor visita o São Paulo, no Morumbi, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Lucas Uebel/GFBPA
Barcos tem 12 gols em 40 jogos pelo Grêmio e não balança as redes há quatro partidas

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade