Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Boliviano revela diferença de R$235 milhões em contrato da Conmebol

Bruno Oliveira, especial para a GE.NET São Paulo (SP)

Em evento realizado no Parque São Jorge, em São Paulo, nesta quarta-feira, líderes e ex-atletas do futebol na América do Sul se reuniram para debater o futuro do esporte no continente. O principal tema da conversa foi possível caso de corrupção na Conmebol (Confederação Sul-americana de Futebol), entidade presidida pelo uruguaio Eugenio Figueredo. E, o mandatário do Bolívar, Guido Loayza Mariaca, questionou a gerência da instituição.

“É realmente pavorosa a forma com que as finanças da Conmebol são conduzidas. Acreditamos que o jogo limpo deveria começar também ali e alcançar também a parte financeira, algo que não acontece”, destacou.

A iniciativa de formar uma comissão teve origem no Uruguai, onde um advogado revisou relatórios feitos pela empresa de auditoria PricewaterhouseCoopers e constatou irregularidades financeiras. A ação ganhou rumos maiores e chegou a outros países, como Brasil, Paraguai, Equador, Venezuela, Peru e Bolívia.

As divergências registradas em contratos são alguns dos pontos de inquietação dos opositores da Conmebol. Os dirigentes de clubes sul-americanos, ex-atletas e sindicatos de jogadores contestam os valores repassados as agremiações, principalmente nas premiações de torneios continentais e direitos televisivos.

“Uma das principais diferenças é o que foi recebido, e o que seria recebido se outras ofertas fossem aceitas. Outro problema é o balanço financeiro, que não aponta os valores certo de entrada e nem mesmo de saída. As diferenças são enormes, de vários e vários milhões”, completou o dirigente boliviano. “Há conflitos de mais de 100 milhões de dólares (aproximadamente R$235,1 milhões)”, encerrou.

No evento em território paulista, mais de 20 clubes sul-americanos marcaram presença. Entre os brasileiros, Corinthians, Santos e Botafogo, que enviou uma carta. Já entre os internacionais, Peñarol (Uruguai), Nacional (Uruguai), LDU (Equador), Libertad (Paraguai), Caracas (Venezuela), Sporting Cristal (Peru) e Bolívar (Bolívia). O Zamora (Venezuela) foi representado por seu presidente, Adelis Chávez, irmão mais novo do já falecido Hugo Chávez.

A expectativa é de que novos encontros aconteçam ainda neste ano. A Argentina, que tem sua associação nacional presidida por Julio Grondona, foi representada por Diego Armando Maradona. Outras figuras importantes do futebol, como Romário, Careca, o argentino Oscar Ruggeri e o uruguaio Enzo Francescoli marcaram presença no Parque São Jorge.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade