Futebol/Brasileiro Série B - ( - Atualizado )

Colegas citam cotovelada e culpam árbitro, mas Valdivia vê lealdade

Florianópolis (SC)

Valdivia jogou nesta terça-feira ainda exibindo o olho esquerdo roxo, herança de cotovelada recebida no sábado, no empate com o América-MG. Segundo seus colegas, o chileno e Henrique foram vítimas de agressão igual na vitória sobre o Avaí. Mas o camisa 10, dessa vez, apontou até lealdade do provocador time catarinense em Florianópolis.

“Que clima? Não vi isso dentro de campo. O que vi foi lealdade”, disse Valdivia, apesar de Eduardo Costa ter até chacoalhado a nuca de Leandro, derrubado na grande área duas vezes, Vilson ter respondido a xingamentos de Alex Lima sendo contido por rivais para não brigar e Henrique ter levado uma rasteira na grande área.

O zagueiro, ainda no intervalo, já questionava a atuação do árbitro Felipe Gomes da Silva. “Ele está perdido, impressionante. Não dá escanteio, dentro da área seguram como quer”, falou Henrique. O árbitro também corroborou erros da assistente Edina Alves Batista em marcações de impedimento.

Mas o aspecto mais criticado foi o disciplinar. “O juiz se complicou um pouco no começo e os jogadores do Avaí quiseram criar um clima. O Henrique levou duas entradas e uma cotovelada e o Valdivia levou uma cotovelada também. Mas futebol não é assim, é em campo, jogando bola, tanto que eles mesmos se complicaram. E o nosso time joga a bola”, provocou Vinicius.

Valdivia, contudo, abriu o sorriso ao falar de “apanhar”. “É, apanhei menos”, analisou. “Já foi o jogo contra o América-MG. Jogamos muito bem e ganhamos um jogo que nos deixa mais perto do acesso”, prosseguiu o meia.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade