Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Corinthians emociona engravatados com estádio quase pronto

Marcos Guedes São Paulo (SP)

A construtora Odebrecht, preocupada em concluir logo as obras, foi muito contra, mas Andrés Sanchez bateu o pé. A festa de 103 anos do Corinthians, completados em 1º de setembro, foi realizada no estádio do clube, 90% concluído, na noite de sábado. E o ex-presidente alvinegro cumpriu o que pretendia. A imagem da arena quase pronta emocionou boa parte dos engravatados que foram à extrema zona leste de São Paulo.

Quando Andrés, responsável pelo estádio, e Mário Gobbi, atual presidente da agremiação do Parque São Jorge, simbolicamente abriram a cortina e exibiram o campo, houve um coletivo ar de incredulidade. A esta altura, todos já sabem que o time do povo terá a sua casa, mas o gramado próximo, bonito, fez os convidados da festa acharem bela até a sua cor.

Ainda que formal, com traje social completo obrigatório, a celebração era do Corinthians. Sendo assim, com um palco montado no setor oeste do estádio, improvisou-se um "poropopó" de engravatados. Um turista que desembarcasse em Itaquera na virada de sábado para domingo havia de anotar em seu caderninho: "Terno e gravata são a camisa de força dos paulistanos".

Divulgação/Agência Corinthians
Ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez discursa durante aniversário do clube (foto: Mauro Horita)
Foram cerca de 3.000 convidados, de acordo com o clube. Eles ouviram Andrés discursar sobre o bem que o estádio fará à zona leste, vibraram com as referências de Gobbi às conquistas da Copa Libertadores e do Mundial do ano passado, observaram breve apresentação da Gaviões da Fiel e tiraram o pé do chão com o show da cantora Ivete Sangalo.

"Vai, Curinthia!", apelou a baiana, torcedora do Vitória, obtendo o efeito esperado. Ela chegou a cantar parte do hino do clube do Parque e prometeu assistir a um jogo no local. Nesse momento, um dos corintianos presentes apontou para o gol do setor norte e avisou: "O primeiro gol será ali, do Paolo!".

Pode ter sido um delírio, mas o que o fã de Guerrero percebeu é que não tem mais volta. Aos 103 anos de vida, depois de alugar o terreno do lenheiro do Bom Retiro, construir o campo da Ponte Grande com operários/atletas, comprar a Fazendinha e adotar o Pacaembu, o Corinthians vai ter a sua casa definitiva.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade